A Sacerdotisa

De Ocultura
Ir para navegação Ir para pesquisar
Template tarot2.jpgTarot | Tarot de Thoth
Arcanos Maiores: O Louco - O Mago - A Sacerdotisa - A Imperatriz - O Imperador - O Hierofante - Os Amantes - A Carruagem - Ajustamento - O Eremita - A Fortuna - Tesão - O Enforcado - Morte - A Arte - O Diabo - A Torre - A Estrela - A Lua - O Sol - O Aeon - O Universo
Arcanos Menores: Paus | Copas | Espadas | Discos
A Sacerdotisa

A Sacerdotisa caça a verdade, removendo os véus da ignorância. Como a Lua ela sente as emanações do inconsciente e como reflexo da Verdade - a Luz. Objetiva e desapaixonada, ela se senta quieta e introspectiva diante do Mago para ver e receber a verdade - Seu conselho é a confiança. O número II é a Balança, a Harmonia. Existe um elemento subjetivo que é a água (Binah) que representa o reflexivo e receptivo espelho para os outros. A sua imagem é a portadora da Grande Deusa Nuit, o Filtro. Livre e amoral ela é o melhor oráculo.

Interpretações - intuição, confiança, boa influência, troca, alternância.

Caminho da Árvore da Vida - de Kether à Tiphareth

Letra Hebraica - Gimel - Camelo

Valor - 3

Tattwa - Água

Nome Místico - Sacerdotisa da Estrela de Prata

Planeta - Lua

Explicação da carta em O livro de Thoth

Esta carta se refere à letra Guimel, que significa Camelo ( o simbolismo do Camelo é elucidado na sequencia).

A referência da carta é à Lua. A Lua (sendo o símbolo feminino geral, o símbolo da segunda ordem correpondendo ao Sol como o Yoni corresponde ao Lingam) é universal e vai do mais alto ao mais baixo. Trata-se de um símbolo que reaparecerá frequentemente nestes hieróglifos. Mas nos primeiros Trunfos a concernência é com a Natureza aaixo do Abismo;a Alta Sacerdotiza é a primeira carta que liga a Tríade superior com a Héxade, e seu caminho, como é mostrado no diagrama, produz produz uma conexão direta entre o Pai em seu aspecto mais elevado e o Filho em sua manifestação mais perfeita. Este caminho está em equlíbri exato no pilar do meio. Há aqui, portanto, a mais pura e mais exaltada concepção da Lua( no outro extremo da escala está o Atu XVIII, q.v)

A carta representa a forma mais espiritual de Ísis, a Virgem Eterna, a Ártemis do gregos. Ela está trajada tão-somente do véu brilhante de luz. É importante para a alta iniciação considerar a Luz não como a perfeita manifestação do Espírito Eterno, mas, preferivelmente, como o Véu que oculta este espírito. ela assim o faz sumamente efetiva devido ao seu brilho inconparavelmente desbulmbrante. Assim ela é luz e o corpo de luz. Ela é a verdade atrás do véu de luz. Ela é a alma de luz. Sobre o joelhos dela está o arco de Ártemis, que é também um instrumento musical pois ela é caçadora e caça por encantamento.

Agora que se considere está idéia como apartir de detrás do Véu de Luz, o terceiro Véu do Nada original. Esta luz é o menstruo da manifestação, a deusa Nuit, a possibilidade da Forma. Esta manifestação primeira e maximamente espiritual do feminino toma para si um correlativo masculino ao formular em si mesma qualquer pnto geométrico apartir do qual se contempla possibilidade. Esta deusa virginal é então potencialmente a deusa da fertildade. Esta é a idéia por tras de toda forma; logo que a influência de tríade desce abaixo do Abismo ocorre a conclusão da idéia concreta. O Capítulo seguinte de O Livro da Mentiras pode auxiliar o estudante a compreender esta doutrina por meio de meditação:

DIABOS DE PÓ

No vento da mente surge a turbulência chamada Eu.

Ela rompe, para baixo se precipitam os pensamento estéreis.

Toda vida é sufocada.

Este deserto é o Abismo onde está o Universo.

As estrelas não passam de cardos neste ermo.

Todavia, este deseto é apenas um sítio amaldiçoado num mundo de felicidade.

Ocasionalmente viandantes cruzam o deserto; eles vêm do Grande Mar e ao Grande Mar eles vão.

E à medida que eles vão deixam cair água; um dia irrigarão o deserto, até que este floresça.

Vê! Cinco pegadas de um Camelo! V.V.V.V.V.

(Para a clássica definação de Abismo o estudante deve consultar o Liber 418, "A Visão e a Voz", especialmente o Décimo Aethyr, "O Equnócio", Vol . I nº5, Suplemento).

Então, no concernente a este caminho, considerando como descendo em espiral da Coroa, mas para o aspirante, ou seja, para o Adepto que já está em Tipheret, para aquele que alcançou o Conhecimento e Conversação com o Sagrado Anjo Guardião, este é o caminho que leva para cima me espiral,e esta carta em um sistema intitulado A Sacerdotiza da Estrela da Prata, é simbílico do pensamento( ou melhor ainda da inteligência radiante) daquele Anjo. É, trocando em miúdos, um símbolo da mais alta Inicição. Agora é a condição de iniciação que são as chaves que são para serem comunicadas por aqueles que a possuem para todos os verdadeiros aspirantes. Esta carta é então muito peculiarmente um glifo do trabalho da A.'.A.'. Uma idéias da fórmula é dada neste outro capítulo do Livro da Mentiras:

A OSTRA

Os Irmãos da A.'.A.'. são Um com a Mãe da Criança.

Os Muitos é tão adorável para o Um quanto o Um é para os Muitos.

Este é o Amor destes; criação-partuição é a Felicidade do Um;

coito-dissolução é a Felicidade dos Muitos.

O Todo, entretecido destes, é Felicidade.

Nada está além da Felicidade.

O Homem se deleita em unir-se com a Mulher; a Mulher em separar-se da Criança.

Os Irmãos da A.'.A.'. são Mullheres; os aspirantes à A.'.A.'. são Homens.


É importante refletir que esta carta é inteiramente feminina, inteiramente virginal pois representa a influência e o meio de manifestação( ou, de baixo, de obtenção) em si mesma. Representa possibilidade me seu segundo estágio sem qualquer começo de consumação.

Cumpre observar, em paritcular, que as três letras consecutivas, Gimel, Daleth e ( Atu II, III, XVII) exibem o símbolo feminino(Yin) sob três formas compondo a Deusa Tri-Una. Esta Trindade é imediatamente seguida pelos três Pais correspondentes e complementares, Vau, Tzaddi, Yod ( Atu IV, V, IX). Os Trunfos 0 e 1 são hermaforditas.

Os quatroze trunfos restantes representam estas Quintessências Primordias do Ser em conjunção, função ou ,manifestação.

Símbolos Principais:

Cor Azul - Paz Suprema, também pode ser uma referência a Binah

Cor Branca -Pureza e virgindade

Sete véus - Intuição ( Os sete Planetas e as sete verdades)

Os seios expostos - Sensitividade e sentimento profundo

Arco e Flecha - Ártemis a Caçadora, também representa os órgãos femininos.

Os Dois Pilares - Severidade e a Misericórdia

A Lua sob os pés - Lilith, Qliphoth de Malkuth, é todo elemento que perturba e são os desejos não manifestos.

Flores e Frutas - O Domínio sobre os elementos.

Os Quatro Cristais - Claridade e pureza da mente, coração, mente, corpo e espírito

Camelo - Sabedoria. Pode representar o elemento essencial para que se possa alcançar a Plenitude. Para atravessar o Grande " Deserto de Daath precisamos de uma Camelo", símbolo da paciência e resistência que temos que ter na travessia.

A lua na cabeça junto com o Chifre - Representação da Deusa Ísis (NUIT), Senhora dos Mistérios.

Referências

  • O Livro de Thoth-O Taro, Aleister Crowley