Practicus

A introdução a este artigo oferece contexto insuficiente para aqueles não familiarizados com o assunto.
Por favor nos ajude a melhorar a introdução para atingir o padrão Ocultura de qualidade. Você pode discutir o assunto na página de discussão.

Babalon.jpg
Astrum Argentum

Estudante

Probacionista
G∴D∴

Neófito
Zelator
Practicus

Philosophus
Dominus Liminus
R∴C∴

Adeptus Minor
Adeptus Major

Adeptus Exemptus
Bebê do Abismo
S∴S∴

Magister Templi
Magus

Ipsissimus
Sin ele agua.gif

Os deveres do Practicus estão explícitos nos Libri 185, 13 e Uma Estrela à Vista porém cabem algumas considerações.

Practicus é uma palavra que possui significado óbvio para os conhecedores da língua portuguesa. Deriva do grego praktikos, pratico, ativo efetivo, o conceito básico é ação.

Após o período de Zelator e após o ritual de iniciação, o candidato estará apto a tomar o juramento do grau, que podemos resumir o seu objetivo em "obter o controle das vacilações do meu próprio ser".

O candidato deve ser orientado por um superior na ordem, ao menos um Philosophus.

Na Árvore da Vida, a consciência do Practicus está em Hod e um estudo sobre essa sephirah, o caminho XVI, e suas relações é indicado.

"Então adentramos na Terceira Casa (ou Oitava, depende da onde você começou a contar... e elas são dez) e havia muitas coisas maravilhosas que você não poderia imaginar. Era brilhante, muito brilhante, cor de laranja com flashes de luz piscando tão rápido que mal os víamos e também havia um som de mar no qual não se podia enxergar o fundo. Também havia ali um oceano agitado e bravio onde grandes golfinhos, passeando, gritavam: 'Sagrado! Sagrado! Sagrado!' Em tamanho êxtase que você nem poderia conceber e brincavam, pelo simples prazer de brincar. Era toda iluminada por um minúsculo planeta, cintilante e prateado e então surgiu uma horda de carruagens flamejantes de ávidos lanceiros crepitando pelos céus. E o meu Príncipe das Fadas disse: 'Não é maravilhoso tudo isso?' Mas sabia que ele não queria dizer isso então eu repliquei: 'Beija-me!' e ele beijou-me e prosseguimos.
Ele disse: 'Minha pequena garota, muitos ficam lá a vida toda!'. Esqueci de dizer que todo o lugar era um amontoado de livros e as pessoas liam-nos tanto até ficarem idiotas, mas tão idiotas, que esqueciam o que estavam fazendo. E lá havia trapaceiros , médicos e ladrões.
Fiquei muito contente em sair daquele lugar."


Aleister Crowley
The Wake World (O Mundo Desperto)

Outras informações são passadas pela tradição oral.


   Esta página foi acessada 4 614 vezes.
O Ocultura utiliza o MediaWiki Valid XHTML 1.0 Transitional Valid CSS!