Adeptus Minor

A introdução a este artigo oferece contexto insuficiente para aqueles não familiarizados com o assunto.
Por favor nos ajude a melhorar a introdução para atingir o padrão Ocultura de qualidade. Você pode discutir o assunto na página de discussão.

Babalon.jpg
Astrum Argentum

Estudante

Probacionista
G∴D∴

Neófito
Zelator
Practicus

Philosophus
Dominus Liminus
R∴C∴

Adeptus Minor
Adeptus Major

Adeptus Exemptus
Bebê do Abismo
S∴S∴

Magister Templi
Magus

Ipsissimus

Após atravessar o Véu de Paroket, aqui inicia-se a entrada na Segunda Ordem da A.·.A.·., onde as passagens dos graus é mais imperceptível do que as da Primeira Ordem. O clímax de todo trabalho do magista ocorre neste nível, onde obtém o "encontro" com o seu Sagrado Anjo Guardião e o descobrimento da sua Verdadeira Vontade.

Adeptus é uma palavra latina de significado óbvio para os conhecedores da língua portuguesa, mas o significado mais profundo seria "aquele que consegue". Ocorrendo na sephirah de Tiphareth, o Sol, um estudo da mesma é necessário.

Aqui o membro pode assumir o cargo de Cancellarius da Ordem.

O adepto já deverá ter percebido que, são nos caminhos e nas sephiroth do eixo central da Árvore da Vida, que ocorrem as principais mudanças em sua consciência, e aqui não é diferente.

O grau de Adeptus Minor, ou Adepto Menor, possui uma diferença: é dividido em dois estágios: Adeptus Minor Externo e Adeptus Minor Interno.

A diferença entre eles é ao mesmo tempo tênue e distante: enquanto o Adeptus Minor Externo tem como objetivo " obter (to attain) o conhecimento e conversação com o Sagrado Anjo Guardião" o Adeptus Minor Interno tem a " consecução (attainment) do Conhecimento e Conversação com o Sagrado Anjo Guardião".

As palavras são pobres muletas na descrição de qualquer mudança de estado evolutivo, pois se estiverem sob a batuta da razão, podem ser enganosas, por outro lado, são desajeitadas na tentativa de descrever qualquer experiência espiritual ou fenômeno transcendente. Tentando diferenciar os dois estados, poderíamos nos referir ao A.M.E num nível incompleto se comparado ao A.M.I.


O primeiro, ainda necessita da mão firme e orientadora de seu instrutor, e sua relação com seu Anjo não foi definida completamente. A sua total independência externa no caminho da iniciação, não fora alcançada.

O segundo, já está totalmente consciente de sua relação com o seu Anjo Guardião. Aqui o seu instrutor o deixa, pois o próprio Anjo o orientará mais explicitamente adiante. Não existem mais juramentos a serem preenchidos e obrigações técnicas a fazer. A passagem pela Primeira Ordem teve essa finalidade: preparar o adepto, dar-lhe todas as armas e teorias para chegar a este ponto.

Aqui, o Jesus Cristo da cristandade morreu. A morte de seu estado anterior, putrefado, para ressuscitar com seu novo (talvez antigo) Eu, onde o equilíbrio deve ser alcançado, pois Thipharet está no meio da Árvore da Vida equilibrando-a pela iluminação direta de Kether, o Pai.


"Ninguém vai ao Pai senão por mim".


Thipharet emana às Sephiroth inferiores a luz do Pai pelo seu reflexo menor, o Sagrado Anjo Guardião do magista, que por sua vez é filtrada pela sephirah lunar de Yesod até chegar a Malkuth onde sua percepção chega incompreendida à muitos. Daí a busca em ascensão pela Árvore da Vida.

Daqui para frente, serão apenas ele e seu Anjo, sob a virtude da sua Verdadeira Vontade.

Referências


   Esta página foi acessada 7 773 vezes.
O Ocultura utiliza o MediaWiki Valid XHTML 1.0 Transitional Valid CSS!