Asana

De Ocultura
Ir para navegação Ir para pesquisar
Erro ao criar miniatura: /bin/bash: warning: setlocale: LC_ALL: cannot change locale (C.UTF-8) convert: unable to open image `/home/interact/public_html/ocultura.org.br/images/7/7d/Tanumnas_en_Meditacion_Loto_Padmasana.JPG': No such file or directory @ error/blob.c/OpenBlob/2589. convert: missing an image filename `/tmp/transform_c2bf45c635c3.jpg' @ error/convert.c/ConvertImageCommand/3015. Error code: 1
Padmasana
Sivakempfort.jpg

Yoga


Shiva Yoga
Raja Yoga
Tantra Yoga
Hatha Yoga


Asana
Pranayama
Yama
Niyama
Pratyahara
Dharana
Dhyana
Samadhi


Chakras
Muladhara
Svadhisthana
Manipura
Anahata
Visuddha
Ajna
Sahasrara

Asana é uma palavra Sânscrita (em devanagari आसनम्) que significa "sentar". São diversos os tipos de asanas. Entre os principais estão o padmasana, o bhadrasana, o vajrasana, o virasana e o svastikasana. No Yoga sutras de Patanjali se menciona a execução de asanas com o terceiro passo do Raja Yoga.

Descrição e Origens

Dentro da tradição indiana a sua origem é atribuída a Shiva, que as ensinou a sua esposa Parvati.

Embora, como visto a idéia original de asana se refira a uma contemplação (meditação) em posição sentada, para atingir o estado de meditação e permanecer por longos periodos. Hoje em dia surgiu à interpretação dada como posição psicofísica do yoga. Pois, o estudo moderno do Yoga tornou necessário se classificar diversas técnicas em uma única família.

Patanjali, no Yoga Sutras descreve asana como sentar em posição firme e confortável para a contemplação (ou meditação), onde a contemplação é o sadhana(o caminho) para se compreender o si.

A prática de asana desenvolve uma musculatura flexível, e ossos e tendões resistentes, bem como o massageamento de orgãos, e o equilíbrio das funções de diversas glândulas internas. A tradição indiana também enumera como beneficio a melhoria do fluxo de prana (uma espécie de energia vital; qi em Chinês; ki em Japonês (esta informação é apenas ilustrativa, pois tratam-se de filosofias distintas)) para permitir o equilíbrio dos koshas, e fluxo de energia pelas nadis(Sistema circulatório energético,).

O aspecto físico do asana foi muito popularizado no ocidente, tornando-o estigmatizado, por diversas celebridades Madonna, Danielle Winits e Sting. Destituído da sua base filosófica Yoga, o asana se tornou parte das práticas de Hatha Yoga, em diversas academias.

Crowley falando sobre Asanas

O problema que enfrentamos pode ser enunciado desta forma simples: Uma pessoa deseja controlar sua mente, ser capaz de pensar num certo pensamento durante o tempo que quiser, sem interrupção.
Como já mencionamos, a primeira dificuldade vem do corpo físico que persiste em chamar para si a atenção de sua vítima através de comichões e outras coisas. A pessoa deseja se espreguiçar, se coçar, espirrar. Este incômodo é tão persistente que os hindus (científicos a seu modo) conceberam uma prática especial para neutralizá-lo.
[...]
Escolhamos então uma posição que nos convenha, e observemos o que ocorre. Existe uma espécie de meio-termo equilibrado entre a rigidez e o relaxamento muscular. Os músculos não devem ficar retesados; ao mesmo tempo, não devem ser deixados soltos. É difícil expressar a situação. Preparado para se mover talvez seja a melhor descrição. Um senso de alerta físico é desejável. Visualize-se um tigre prestes a pular, ou um remador atleta de prontidão, esperando o sinal de partida. Após certo tempo, haverá câimbra e fadiga. E então que o estudante deverá trincar os dentes e persistir imóvel. As sensações de coceira, etc., desaparecerão se forem resolutamente desprezadas, mas a câimbra e a fadiga aumentarão até cessar a prática. Podemos começar com meia hora, ou uma hora. O estudante não deve se assustar se o processo de abandonar a asana após a prática exigir vários minutos de tremenda agonia.
Persistir na prática dia após dia requererá grande força de vontade, pois na maior parte dos casos verificar-se-á que o desconforto e a dor, em vez de diminuírem, tendem a aumentar.
Por outro lado, se o estudante não prestar atenção e não vigiar o corpo, um fenômeno oposto poderá ocorrer. Ele se moverá para aliviar a dor, sem perceber que está se movendo. Para evitar isto, escolha uma posição que seja naturalmente muito restritiva e difícil de manter, na qual pequenos deslocamentos musculares não sejam suficientes para trazer alivio. De outra forma, durante os primeiros dias, o principiante poderá até imaginar que dominou a prática! De fato, em todas essas técnicas yoguis, a simplicidade aparente é tal que o principiante tende a se espantar com a gritaria dos peritos, talvez mesmo a imaginar que possui qualidades excepcionais. Assim mesmo, um homem que nunca pegou num taco de golfe a vida inteira pode pegar o guarda-chuva e fazer uma jogada que amedrontaria o campeão mundial.
Após alguns dias, porém, em todos os casos, os fenômenos descritos aparecerão. A medida que você progride, eles aparecem mais cedo no curso da hora de exercício. A relutância em praticar poderá se tornar quase invencível. Devemos prevenir o estudante contra a idéia de achar que alguma outra posição seria, talvez, mais fácil de dominar do que aquela que ele escolheu! Assim que a gente começa a mudar de uma posição para outra, estamos perdidos. Nunca alcançaremos o sucesso.
Talvez a recompensa para tanta dor e desconforto não esteja longe, acontecerá um dia que a dor subitamente é esquecida, o fato da presença do corpo é esquecido, e a gente percebe que durante nossa vida inteira o corpo sempre tinha intrometido suas mensagens no limiar da nossa consciência, e que aquelas mensagens eram de desconforto e de dor. E percebemos neste momento, com uma indescritível sensação de alívio, que não só esta posição, a qual nos causou tanta dor, é o próprio ideal de conforto físico, mas que qualquer outra posição do corpo é desagradável. Esta percepção representa o sucesso na prática.
Não haverá mais dificuldade. Entraremos na asana com a mesma sensação, quase, com que um homem fatigado entra em um banho quente: e, enquanto estivermos na posição que conquistamos, poderemos confiar em que o corpo não nos enviará nenhuma mensagem que possa per turbar nossa mente.
[...]

Condições e orientações para praticar um bom Asana

O Asana deve ser firme e confortável. Ele não deve ser a causa de nenhum tipo de desconforto. Qualquer retesamento ou tensão observada no corpo deve ser conscientemente relaxada. Esta posição deve ser tão confortável que você possa ficar na mesma por um longo período.

O Asana deve ser um esforço de corpo e mente. A sensação de se estar absolutamente relaxado é sinal de um asana perfeito. A respiração deve ser normal e ritmada, iniciada nas narinas, e terminada no abdômen e não se deve movimentar o tórax.

De acordo com os praticantes de Hatha Yoga, quando você consegue gerenciar o controle corporal, você se libera da chamada 'dualidade dos opostos', como o calor e o frio, a fome e a gula, alegria e a tristeza, assim por diante.

Abaixo estão relacionadas as orientações para realizar o Yogasana:

  • Um copo de água deve ser tomado antes da pratica de asanas.
  • O estomago deve estar vazio. Asanas devem ser praticados 8 horas após o almoço, 2 horas após um copo de leite e uma hora após se comer uma fruta.
  • Sempre praticar asanas de manhã. Se isto não for possível, próximo ao entardecer.
  • Comidas gordurosas, muito secas, congeladas, muito quentes ou em excesso devem ser evitadas.
  • Não se deve forçar ou pressionar nada quando praticar asanas.
  • Não se deve sair no frio após praticar asanas.
  • mover a cabeça lentamente; se o asana afetar seu equilíbrio.
  • A respiração deve ser controlada e deve ser sempre pelas narinas. Os benefícios dos asanas aumentam se for praticado o pranayama simultaneamente.
  • Se o corpo estiver estressado, praticar o Shavasana.
  • Asanas devem ser praticados em uma sala limpa e bem-ventilada. A atmosfera deve ser pacífica.
  • Exercícios físicos leves (alongamentos), seguido pelo yogasana, pranayama e samyama é um sequência ideal.
  • Durante a gravidez, apos o terceiro mês, exercícios que exigem que se deite sobre o estômago devem ser evitados.

Asana no Liber E vel Exercitorium

  1. Você deve aprender a sentar-se totalmente imóvel com todos os músculos tensos por longo tempo.
  2. Você não deve usar roupas que interfiram na postura escolhida.
  3. A primeira posição (O Deus Egípcio): Sente-se numa cadeira; cabeça ereta, costas direitas, joelhos juntos, mãos nos joelhos, olhos fechados.
  4. A segunda posição (O Dragão): Ajoelhe-se, as nádegas descansando nos calcanhares, os dedos dos pés virados para trás, cabeça e costas eretas, mãos sobre as coxas.
  5. A terceira posição (O Ibis); Depé, segure o tornozelo esquerdo com a mão direita, ponha o indicador livre nos lábios; cabeça e costas eretas.
  6. A quarta posição (O Raio): Sente-se; calcanhar esquerdo comprimindo o anus, pé direito pousado na ponta dos dedões, com o calcanhar cobrindo o pênis; os braços estendidos ao longo dos joelhos; cabeça e costas eretas.
  7. Várias coisas ocorrerão consigo enquanto você pratica estas posições; tais coisas devem ser cuidadosamente analisadas e descritas.
  8. Anote a duração da prática; a severidade da dor (se alguma) que acompanhar a duração; o grau de rigidez obtido; e quaisquer outros detalhes pertinentes.
  9. Quando você tiver progredido ao ponto em que um pires cheio a transbordar com água, pousado sobre a cabeça, não transborda durante uma hora, e quando você já não perceber o menor tremor em qualquer músculo; em suma, quando você pode se sentir perfeitamente imóvel e a vontade, você pode apresentar-se para exame; e se você passar, práticas mais complexas e mais difíceis lhe serão ensinadas.

Referências