Dharana

De Ocultura
Ir para navegação Ir para pesquisar
Sivakempfort.jpg

Yoga


Shiva Yoga
Raja Yoga
Tantra Yoga
Hatha Yoga


Asana
Pranayama
Yama
Niyama
Pratyahara
Dharana
Dhyana
Samadhi


Chakras
Muladhara
Svadhisthana
Manipura
Anahata
Visuddha
Ajna
Sahasrara

Dharana é um termo sânscrito que vem da raiz dhri, que significa segurar ou reter, as vezes conhecida como samadhana é um dos oitos ramos do yoga clássico.

A base deste exercício yogue esta no ekagrata, concentração em um único ponto.

A prática de concentração, que precede a contemplação ou meditação profunda (dhyana), é fundamental que o yogi proceda a introversão, limitando a atividade mental a apenas a contemplação de um objeto observado.

Ela representa a reunião das energias físicas, que é acompanham por um alto grau de inibição ou introversão pratyahara. e diminuição do ritmo do pensamento reflexivo. a concentração yogue pode ter um ampla variedade de objetos artha, como uma mandala, um yantra ou um bijamantra. Quando a concentração aumenta surge o dhyana.

Existem praticas de dharana para a focalização de partes internas do corpo e a retenção da respiração.

É a sexta parte do Asthanga yoga.

Dharana no Liber E vel Exercitorium

  1. Constrinja a mente a concentrar-se sobre um único, simples, objeto imaginado. Os cinco tattwas são úteis para este propósito. Eles são: uma oval negra; um disco azul; um crescente de prata; um quadrado amarelo; um triângulo vermelho.
  2. Proceda as combinações de simples objetos; por exemplo, uma oval negra dentro de um quadrado amarelo, e assim por diante.
  3. Proceda a imaginar simples objetos em movimento, como um pêndulo oscilando, uma roda rolando, etc. Evite objetos viventes.
  4. Proceda as combinações de objetos em movimento; por exemplo, um pistão subindo e descendo enquanto um pêndulo oscila. A relação entre dois movimentos deve ser variada de sessão a sessão de prática. Ou imagine mesmo um sistema de engrenagens em movimento.
  5. Durante essas práticas a mente deve ser absolutamente limitada ao objeto designado; não se deve permitir que nenhum outro pensamento entre no consciente. Os sistemas em movimento devem ser regulares e harmoniosos.
  6. Anote cuidadosamente a duração dos experimentos, o número e a natureza dos pensamentos que se intrometem, a tendência do objeto imaginado de escapar do curso que lhe foi determinado, e quaisquer outros fenômenos que possam ocorrer. Evite demasiado esforço e fadiga; isto é muito importante.
  7. Proceda a imaginar objetos viventes; tal como um homem, preferivelmente alguém que você conheça e respeite.
  8. Nos intervalos destes experimentos você pode tentar imaginar os objetos dos outros sentidos, e concentrar-se sobre eles. Por exemplo, tente imaginar o gosto de chocolate, o cheiro de rosas, o toque do veludo, o ruído de uma cachoeira ou o tic-tac de um relógio.
  9. Esforce-se finalmente para cortar o acesso a mente das mensagens de todos os cinco sentidos, e evitar que qualquer pensamento se apresente no consciente. Quando você achar que atingiu algum sucesso nestas práticas apresente-se para exame; e se você passar, outras práticas mais complexas e mais difíceis lhe serão prescritas.

Referências