DES

De Ocultura
(Redirecionado de Aethyr 26)
Ir para navegação Ir para pesquisar

Este artigo é parte integrante da série A Visão e a Voz - Liber 418

Liber 418: A Visão e a Voz, é considerado por Aleister Crowley como o segundo livro em importância, perdendo apenas para Liber AL vel Legis Para obtê-lo, Aleister Crowley e seu discípulo, o poeta inglês Victor Benjamin Neuburg, viajaram as terras áridas da Argélia e ali realizaram invocações específicas valendo-se do sistema enoquiano de John Dee e Edward Kelley.


Menu aethyrs.jpg
Definição - Æthyr
A Visão e a Voz - Liber 418
TEX - 30º Æthyr
RII - 29º Æthyr
BAG - 28º Æthyr
ZAA - 27º Æthyr
DES - 26º Æthyr
VTI - 25º Æthyr
NIA - 24º Æthyr
TOR - 23º Æthyr
LIN - 22º Æthyr
ASP - 21º Æthyr
KHR - 20º Æthyr
POP - 19º Æthyr
ZEN - 18º Æthyr
TAN - 17º Æthyr
LEA - 16º Æthyr
OXO - 15º Æthyr
UTA - 14º Æthyr
ZIM - 13º Æthyr
LOE - 12º Æthyr
IKH - 11º Æthyr
ZAX - 10º Æthyr
ZIP - 9º Æthyr
ZID - 8º Æthyr
DEO - 7º Æthyr
MAZ - 6º Æthyr
LIT - 5º Æthyr
PAZ - 4º Æthyr
ZOM - 3º Æthyr
ARN - 2º Æthyr
LIL - 1º Æthyr

DES é o 26º Æthyr invocado no Liber 418. Refere-se à substituição dos Deuses-Escravos (A Visão do Atu XX, a Estela) a visão da Estela da Revelação, o crepúsculo do Æon dos Deuses Escravos.

Aethyr 26.gif

A invocação do 26º Æthyr chamado DES

Há um pentagrama muito brilhante: e então a pedra desaparece e todo céu torna-se negro e as trevas são as trevas de um poderoso anjo. E ele é negro (sua face e suas asas e seu robe e sua armadura são todos negros) e mesmo sendo brilhante, não posso fitá-lo. E ele diz: Ó tuas lanças e frascos de veneno e espadas afiadas e rodopiantes raios que estão sobre os cantos da terra, cingidos com ira e justiça, sabia tu que o Seu nome é Retidão em Beleza? Queimam-se teus olhos, pois tu me viste em minha majestade. E estourados estão os tímpanos de teus ouvidos, pois o meu nome são duas montanhas de fornicação, as mamas de uma estranha mulher; e meu Pai não se encontra neles.


Olhai! poças de fogo e tormento misturaram-se com enxofre! Muitas são suas cores e elas são como ouro fundido, quando tudo é dito. E Ele não é um, um e solitário, cujo brilho de seu semblante parece 1,728 pétalas de fogo.


Também lançou ele a maldição, cruzando as suas asas e dizendo: Não é o filho inimigo do pai? E não teve a filha roubado o calor da cama de sua mãe? Portanto é a grande maldição irrevogável. Por isso não há sabedoria nem compreensão nem conhecimento nesta casa que encontra-se pendida nas bordas do inferno. Tu não és 4 porém 2, Ó tua blasfêmia praguejada contra 1.


Portanto, aquele que te venerar será amaldiçoado. Ele será moído em um pilão e o pó resultante lançado ao vento para que os pássaros do ar possam comê-lo e morrer; e ele será dissolvido em um forte ácido e o elixir derramado no mar, que os peixes do mar respirem-no e morram. E ele será misturado com esterco e espalhado sobre a terra, então as ervas da terra irão se alimentar dele e morrerão; e ele será completamente queimado com fogo e as cinzas calcinarão os filho da chama que até no inferno poderão ser encontrados excessos de lamentação.


E agora o torso do Anjo torna-se um ovo dourado entre o negrume das asas e esse ovo cresce e cresce por todo Æthyr. E ele choca e de dentro sai uma águia dourada.


E ela diz: Ai! ai! ai! Sim, ai do mundo! Pois não há pecado e não há salvação. Minhas plumas são como ondas doiradas sobre o mar. Meus olhos são mais brilhantes do que o sol. Minha língua é mais rápida do que a luz.


Ainda estou cercado pelos exércitos da noite, bradando, bradando frases á Ele que é atingido pelos raios do abismo. O céu não encontra-se límpido atrás do sol? Essas nuvens que te consomem, esses raios que chamuscam os cérebros dos homens com cegueira; esses são arautos ante minha face da dissolução e da noite.


Todos vocês estão cegos pela minha glória; e assim teu tesouro em teu coração a sagrada palavra que é a última alavanca da chave para a pequena porta além do abismo, assim teu brilho e critica; pois a luz em si nada mais é do que ilusão. Verdade em si nada mais é do que ilusão. Sim, essas são as grandes ilusões além da vida e do espaço e do tempo.


Deixai que teus lábios empolem-se com minhas palavras! Elas não são meteoros em teu cérebro? Voltai, voltai da face do maldito que sou eu; voltai para a noite de meu pai, ao silêncio; pois tudo que você supunha ser da direita é da esquerda, vanguarda é retaguarda, acima é embaixo.


Eu sou o grande deus adorado pelos santos. Ainda assim sou eu o maldito, filho dos elementos e não o pai.


Ó minha mãe! tu não te apiedas de mim? Tu não me proteges? Pois eu estou nu, eu sou manifesto, eu sou profano. Ó meu pai! Tu não vai me retirar? Eu sou expandido, eu sou duplo, eu sou profano.


Ai, ai de mim. Esses são os que não escutam as orações. Eu ouço continuamente todas as preces e não há ninguém a me responder. Ai de mim! Ai de mim! Amaldiçoado eu estou nos æons! Durante todo esse tempo, essa reluzente águia com cabeça de deus atacou-me, aparentemente, através de pessoas invisíveis, pois ela está ferida agora e novamente, lá e aqui; pequenos jorros de sangue fresco saem das penas do seu peito. E a fumaça de seu sangue, aos poucos, preenche o Æthyr com um rubro véu. Há um pergaminho no alto dizendo: Ecclesia abhorret a sanguine; e há um outro abaixo em uma linguagem cujos sons eu desconheço. O significado é Não como eles tem entendido.


O sangue está mais espesso e escuro e agora começa a coagula e a enegrecer, então tudo se enoda; pois ele coagula, coagula. E agora no alto, existem furtos um despontar de pura noite - azul. Ó as estrelas, as estrelas, em um profundo grupo! - e verte o sangue abaixo; então tudo que está no topo do oval, gradualmente revela a imagem de nossa Dama Nuit e, debaixo dela, está o flamejante disco alado e abaixo o altar de Ra-Hoor-Khuit como se estivesse em cima da Estela da Revelação. Porém, abaixo se encontra a inerte figura de Seb em que está concentrado todo o sangue coagulado.


Então vem uma voz: É o alvorecer do æon. Os æons do sofrimento ficaram para trás. Força e fogo, poder e visão, estes são para os servidores da Estrela e da Cobra.


E agora pareço estar morrendo no deserto tamanha é a exaustão


O Deserto, próximo a Sidi Aissa.
25 de Novembro de 1909. 13:10 - 14:00 hs.

Referências