Maniqueísmo

De Ocultura
Ir para navegação Ir para pesquisar
Parte de uma série sobre
Gnosticismo
Simple crossed circle.jpg

História do Gnosticismo

Gnosticismo
Mandaeísmo
Maniqueísmo

Gnosticismo Sírio-Egípcio
Setianos
Tomasianos
Valentianos
Basilidianos

Pais do Gnosticismo Cristão
Magus Simão
Cerinto
Valentino

Gnosticismo mais recente
Ofitas
Cainitas
Carpocratianos
Borborites
Tomasianos

Medieval Gnosticism
Paulicianismo
Tondrakians
Bogomilos
Cátaros

Gnosticismo nos tempos modernos
Gnosticismo nas culturas populares

Textos Gnosticos
Biblioteca de Nag Hammadi
Codex Tchacos
Gnosticismo e o Novo Testamento

Artigos Relacionados
Gnose
Pitagorismo
Neoplatonismo e Gnosticismo
Cristandade Esoterica
Teosofia


Maniqueísmo (em Persa Moderno آیین مانی Āyin e Māni) foi uma das maiores religiões antigas de origem Iraniana. Embora sua forma organizada esteja mais extinta nos dias de hoje, um reavivamento foi tentato sob o nome de Neo-Maniqueísmo. Entretanto, a maioria dos escritos do fundador, o profeta Sírio Mani ܡܐܢܝ, foram perdidos. Alguns especialistas argumentam que sua sutil influência continua no pensamento Cristão Ocidental via Santo Augostinho de Hippo, que converteu-se ao Cristianismo do Maniqueismo que era veementemente denunciado de seus escritos. Esse escritos continuam a ser de grande influência entre os teólogos Católicos e Protestantes.

O Maniqueismo originou-se no 3º século na Babilônia (uma província da Persia naquele tempo), e alcançou, ao longo dos dez séculos seguintes, da África do Norte no oeste à China no Leste. Os textos originais do Maniqueismo foram compostos em Síro-Aramaico. Conforme se espalharam a leste, os escritos da religião passaram por tradução Persa, Parthiano, Sogdiano e finalmente pelo Turca Uyghur e Chinês. Conforme se espalhavam ao oeste, foram traduzidos em Grego, Coptic e Latim. Conforme os Maniqueísmo se movia no tempo, posição e língua, também incorporou novas deidades religiosas das religiões circunvizinhas nas escrituras Maniqueístas. Assim, enquanto os textos Aramaicos originais moviam-se para oriente e foram traduzidos em línguas Iranianas, os nomes das deidades Maniqueistas (ou anjos) foram transformados nos nomes dos yazatas Zoroastrinos. Assim o Abbā dəRabbūṯā (“O Pai do Grandioso” - a mais elevada deidade de Luz do Maniqueismo), nos textos Persas Médios pôde ser traduzido literalmente como o pīd ī wuzurgīh, ou ser substituído pelo nome da deidade Zurwān. Do mesmo modo, a figura Maniqueista primal Nāšā Qaḏmāyā “o homem original” foi feita “Ohrmazd Bay”, após o deus Zoroastrino Ahura Mazda. Este desenvolvimento continuou até o derradeiro encontro com o Budismo Chinês, onde, por exemplo, o Aramaico original “karia” (a “chamada” do mundo da Luz àqueles que buscam salvar-se do mundo da Escuridão), se torna identificado nas escrituras Chinesas com Guan Yin (觀音, literalmente, “aquele que ouve sons [do mundo]”, o Bodhisattva da Compaixão no Budismo Chinês).

Por causa do Maniqueismo ser uma fé que ensina o dualismo, no português a palavra “maniqueísta” veio a significar coisas dualísticas, apresentando ou vendo de as coisas “preto no branco”.

Estrutura

Maniqueísmo, filosofia religiosa sincrética e dualística ensinada pelo profeta persa Mani (ou Manes) combinando elementos do zoroastrismo, cristianismo e gnosticismo, condenado pelo governo do império romano, filósofos neoplatonistas e cristãos ortodoxos.

Filosofia dualística que divide o mundo entre bem, ou Deus, e mal, ou o Diabo. A matéria é intrinsicamente má e o espírito intrinsicamente bom. Com a popularização do termo, maniqueista passou a ser um adjetivo para toda doutrina fundada nos dois princípios opostos do bem e do mal.

A igreja cristã de Mani era estruturada a partir dos diversos graus do desenvolvimento interior. Ele mesmo a encabeçava como apóstolo de Jesus Cristo. Junto a ele eram mantidos doze instrutores ou filhos da misericórdia. Seis filhos iluminados pelo sol do conhecimento assistiam a cada um deles. Esses "epíscopos" (bispos) eram auxiliados por seis presbíteros ou filhos da inteligencia. O quarto círculo compreendia inúmeros eleitos chamados de filhos e filhas da verdade ou dos mistérios, sua tarefa era pregar, cantar, escrever e traduzir. O quinto círculo era formado pelos auditores ou filhos e filhas da compreensão. Para esse ultimo grupo as exigencias eram menores, eles deviam seguir sobretudo, os dez mandamentos seguintes como fio condutor da sua vida cotidiana:

Manichean priests, writing at their desk, with panel inscription in Sogdian. Manuscript from Khocho, Tarim Basin.
1. Não adorar nenhum ìdolo.
2. Purificar o que sai da boca: Não jurar, não mentir, não levantar falso testemunho ou caluniar.
3. Purificar o que entra pela boca: Não comer carne, nem ingerir alcool.
4. Venerar as mensagens divinas.
5. Ser fiel ao seu cônjuge e manter a continencia sexual durante os jejuns.
6. Auxiliar e consolar aqueles que sofrem.
7. Evitar os falsos profetas.
8. Não assustar, ferir, atormentar ou matar animais.
9. Não roubar nem fraudar.
10. Não praticar nenhuma magia ou feitiçaria.
Gnosticismo
Personagens Bardesanes | Basilides | Carpócrates | Cerinto | Marcião de Sinope | Menandro | Monoimo | Saturnino | Simão Mago | Valentim
Seitas e Religiões Mandeísmo | Maniqueísmo | Marcionismo | Setianos | Ofitas | Valentinos | Bogomilos | Cátaros
Conceitos básicos Abraxas | Æons | Arcontes | Demiurgo | Gnose | Mito de Sophia | Pleroma