Evangelhos Gnósticos

De Ocultura
Ir para navegação Ir para pesquisar

A introdução a este artigo oferece contexto insuficiente para aqueles não familiarizados com o assunto.
Por favor nos ajude a melhorar a introdução para atingir o padrão Ocultura de qualidade. Você pode discutir o assunto na página de discussão.

Parte de uma série sobre
Gnosticismo
Simple crossed circle.jpg

História do Gnosticismo

Gnosticismo
Mandaeísmo
Maniqueísmo

Gnosticismo Sírio-Egípcio
Setianos
Tomasianos
Valentianos
Basilidianos

Pais do Gnosticismo Cristão
Magus Simão
Cerinto
Valentino

Gnosticismo mais recente
Ofitas
Cainitas
Carpocratianos
Borborites
Tomasianos

Medieval Gnosticism
Paulicianismo
Tondrakians
Bogomilos
Cátaros

Gnosticismo nos tempos modernos
Gnosticismo nas culturas populares

Textos Gnosticos
Biblioteca de Nag Hammadi
Codex Tchacos
Gnosticismo e o Novo Testamento

Artigos Relacionados
Gnose
Pitagorismo
Neoplatonismo e Gnosticismo
Cristandade Esoterica
Teosofia


A origem dos Livros Apócrifos (também chamados de Livros Gnósticos; do grego Gnosis, que significa Conhecimento) nos remete ao ano 367 d.C. Por ordem do Bispo Atanásio de Alexandria, que seguia a resolução do Concílio de Nicéia ocorrido em 325 d.C, foram destruídos inúmeros manuscritos dos primórdios do Cristianismo. Esses documentos eram supostamente fantasiosos e deturpavam as bases da doutrina Católica que se estabelecia naquele momento. Porém, cientes da importância histórica destes papiros originais, os Monges estabelecidos à margem do rio Nilo, optaram por não destruí-los. Ao contrário, guardaram os códices de papiros dentro de urnas de argila e as enterraram na base de um penhasco chamado Djebel El-Tarif. Ali ficaram esquecidos e protegidos por mais de 1500 anos.

Maiores informações sobre esses livros podem ser encontradas no termo Nag Hammadi.