Satanismo

De Ocultura
Ir para navegação Ir para pesquisar
Bandeira do Satanismo

O satanismo é um movimento religioso e filosófico centrado em torno de Satã ou outra entidade identificada com Satã, ou centrado nas forças da natureza, em particular da natureza humana, representada por Satã como um arquétipo. Ao contrário de muitas religiões e filosofias, o satanismo foca a sua atenção no avanço espiritual e/ou hedonista do indivíduo em vez de a focar na submissão a uma divindade ou a um conjunto de códigos morais. Existem vários tipos de satanistas na sociedade contemporânea.

Origem do termo

O termo Satan originou-se do Judaísmo e se expandiu entre cristãos e seguidores do Islamismo, chegando desse modo a disserminar-se entre diferentes culturas. Em hebraico o termo quer dizer adversário, opositor, se opondo, ir contra.

O termo satanismo foi utilizado pelas religiões abraâmicas para designar práticas religiosas que consideravam estar em oposição directa do deus abraamico. Por exemplo, o primeiro exemplo que se conhece do uso da palavra surge em An apologie of the Church of England", de Thomas Harding, que se refere á Igreja Anglicana como satanista.

Visto que o Martinho Lutero teria negado qualquer ligação entre os seus ensinamentos e Satã, este uso do termo satanismo era principalmente pejorativa. Muitos satanistas acham ofensivo este uso do termo.

A palavra satã em si não tem relações com demônio ou relacionados e foi adotada como termo pejorativo pela Igreja Católica, que também falou de vários rituais supostamente praticados pelos satanistas. Os acusados de satanismo eram os cientistas, tais como Galileu. Estes rituais são praticados atualmente por algumas pessoas que se dizem seguidoras do demônio ou rebeldes à igreja.

Livros Satânicos

* Livro Negro de Satã (ou Livro Negro do Satanismo): Obra-prima do Satanismo tradicional, da tradição sinistra e do sinistro caminho septenário, do sistema septenário. É reconhecido por alguns como a autêntica obra do Satanismo, diferenciando da filosofia religiosa de Anton Szandor LaVey, alguns não o reconhecem como livro satânico, havendo instituições religiosas e satânicas que nem chegam a comentar sobre a existência do livro. Tão abismal as relações teóricas entre o Satanismo tradicional, defendido pela Ordem dos Nove Angulos e Ordo Templis Satanis, com relação á Igreja de Satanás.

* A Bíblia Satânica: Obra-prima do Satanismo de LaVey ou Moderno, tendo sido popularizado com o advento da Internet e de organizações que defendendem a autenticidade satânica da filosofia religiosa de Anton Szandor LaVey.

* A Bruxa Satânica: é um livro satânico, desenvolvendo a bruxaria satânica como técnica magista.

Princípios do Satanismo

O Satanismo, antes de ser uma religião, é uma filosofia. Se o despir dos seus simbolismos, rituais, celebrações e dogmas, terá um conjunto de bases que acima de tudo exaltam o deus que existe dentro de cada um de nós, sejamos Satanistas ou não.

Para o Satanista, Deus, o Diabo, Anjos e Santos não passam de fragmentos da personalidade de cada um. Quando alguém exterioriza esse Deus ou Diabo o que está a fazer é deixar a sua majestade natural de lado para adorar idéias que não são suas, e de maneira indireta adorar a pessoa que criou essas idéias. Ou seja, o Satanismo não é a adoração do Diabo ou uma versão às avessas do Cristianismo, mas sim a exaltação do Eu.

O Satanismo é contra o modo de ser da crença Católica, variantes das Cristãs, ou qualquer outra em que se adore um Deus ou uma divindade exterior; ou é eleita uma pessoa para ser a representante viva de um Deus ou de uma Deusa ou dos deuses na Terra.

No Satanismo cada ser vivo é o seu próprio Deus e governante, cada um é responsável pelos seus atos e o seu modo de ser. Cada um é o seu próprio sacerdote, salvador e Deus.

Alguns casos há efetivamente o culto a uma entidade espiritual, que pode ser denominada por Satã ou receber outro nome.

Em outros casos, o que é rejeitado é a idéia de culto a algo externo à pessoa. O que se busca é a expressão da plena liberdade e responsabilidade da pessoa por si mesma. É por vezes considerado uma forma de ateísmo ou como uma forma de anti-cristianismo.

Outro aspecto é se o movimento utiliza-se em rituais - com caráter religioso próprio - ou se está fundamentado numa atitude filosófica e prática. O predomínio de um ou outro aspecto caracteriza diferentes movimentos satanistas.

Ver também

Referências