Valentim

De Ocultura
Revisão de 00h35min de 31 de dezembro de 2006 por Frater abo (discussão | contribs) (Principais obras)
(dif) ← Edição anterior | Revisão atual (dif) | Versão posterior → (dif)
Ir para navegação Ir para pesquisar

Valentim ou Valentino (100 - ???), foi um místico gnóstico.

Acredita-se que nasceu em Cartago, mas outras informações dizem que nasceu no Egito. Estudou em Alexandria e ensinou em Roma, entre 135 e 160. Aluno de Thedoras, que era amigo de São Paulo (ou Paulo de Tarso) foi um dos mais influentes líderes gnósticos. Quase eleito papa, teve uma grande importância nas bases do cristianismo primitivo.

Valentim é chamado de "o grande desconhecido " do gnostiscismo antigo, devido à pouca informação sobre a sua vida e personalidade.

Foi muito influente na comunidade Cristã, apesar de seus trabalhos e idéias terem sido considerados como apostasia por volta de 175, mas nunca foi considerado herético. Foi, até à sua morte, um membro respeitado na sua comunidade.

As idéias de Valentim

A essência do pensamento Valentiniano é: A salvação está no auto-conhecimento (a gnose). Com influências, nitidamente, neoplatônicas, desenvolveu uma complexa cosmogonia onde Deus, neste caso, Inefável, está acima do Deus inferior, chamado de Demiurgo, o Pai invisível.

Este Inefável, segundo os Gnósticos, é apresentado como um ente amórfico sendo a combinação andrógina da Mente (ou Nous) e pensamento (ou Ennoia ou Epinoia) A Mente é o princípio masculino e o pensamento é o princípio feminino. Na versão Valentiana, o princípio masculino é chamado de Demiurgo e o feminino de Sophia.

O Inefável delegou ao Demiurgo o poder criador para que pudesse separar a Luz das Trevas. Já Sophia tem a Gnosis, que o Demiurgo não possui. Em resumo, Demiurgo criou a matéria e Sophia o espírito.

O Pleroma seria o grande palco desse jogo cósmico. O Demiurgo, com ciúme de Sophia, tenta subjulga-la e toma-lhe a Gnosis, mas Sophia cria o Pleroma e foge para lá. Na esperança de salvar os seus filhos (os espíritos) do julgo da matéria, envia uma parte da Gnosis, chamada Cristo.

O Cristo, na visão gnóstica, é um ente que guia os seres para o abrigo da Pleroma, fugindo da escravidão da matéria através da reencarnação. Lembra um pouco a visão budista da libertação da matéria.

Principais obras

  • Evangelho da Verdade
  • Evangelho de Valentim

A sua mais importante contribuição foi a sua luta contra a ignorância que gera a imperfeição. Este homem diz que não precisamos ser salvos, mas precisamos ser transformados pela gnose. O conhecimento espiritual em si próprio é portanto o equivalente inverso da ignorância e do ego não redimido. Suas idéias que elaboraram esta Cosmogonia são o seu grande legado. E através dos seus escritos poéticos tornou-se relevante à condição existencial da psique humana em todas as eras e em todas as culturas.


Gnosticismo
Personagens Bardesanes | Basilides | Carpócrates | Cerinto | Marcião de Sinope | Menandro | Monoimo | Saturnino | Simão Mago | Valentim
Seitas e Religiões Mandeísmo | Maniqueísmo | Marcionismo | Setianos | Ofitas | Valentinos | Bogomilos | Cátaros
Conceitos básicos Abraxas | Æons | Arcontes | Demiurgo | Gnose | Mito de Sophia | Pleroma