Solis Invictus

De Ocultura
Revisão de 21h46min de 12 de novembro de 2007 por Frater abo (discussão | contribs)
(dif) ← Edição anterior | Revisão atual (dif) | Versão posterior → (dif)
Ir para navegação Ir para pesquisar
01-100.jpg

Este artigo é somente um esboço para um artigo maior.
Quer ajudar a Ocultura? Acrescente alguma informação!

O reconhecimento oficial da adoração do sol no Império Romano começou durante o tempo Aureliano quando ele instituiu o culto do "Sol invicto". O culto do Sol Invictos e o de Mithra são virtualmente os mesmos.

No ano 307 D.C., o Imperador Diocletiano, um adorador do sol, estava envolvido na dedicação de uma templo a Mithra e foi responsável pela queima da escritura que tornou possível para os últimos imperadores, formular suas próprias versões de "Cristinismo".

O Imperador Constantino, enquanto declarava ser Cristão, mantinha o título de "Pontifus Maximus" o alto sacerdote do paganismo. Suas moedas era escritas com: "SOL INVICTO COMITI" (COMPROMETIDO AO SOL INVENCÍVEL).

Domingo (Deis Solis), o dia do sol, era considerado pelos Mithraistas um dia sagrado de descanso.

No dia 25 de dezembro era comemorado como o nascimento do sol, dado como nascido pela "Rainha dos Céus" - "Mãe de deus"

Os Mithraistas celebravam um agape (festa) mithraico. Mithra era considerado um mediador entre deus e homem.