Kremmerz

De Ocultura
Revisão de 07h13min de 22 de abril de 2008 por Dyulax (discussão | contribs)
(dif) ← Edição anterior | Revisão atual (dif) | Versão posterior → (dif)
Ir para navegação Ir para pesquisar
Giuliano Kremmerz

Ciro Formisano, conhecido publicamente com o nome iniciático de Giuliano Kremmerz, nasceu em Portici, próximo de Nápoles em 8 de abril de 1891. Travou seus primeiros contatos com estudo e prática do hermetismo através de Pasquale de Servis (1818 – 1893) na esfera iniciática conhecida como “Izar”.

O velho professor reconheceu nele um grande iniciado, vivendo muitos anos como inquilino no apartamento pertencente aos Formisiano, tornando-se muito afeiçoado ao jovem Ciro. Assim que alcançou a maioridade, Ciro foi admitido junto aos Izar através do Grande Oriente Egípcio, última manifestação de uma antiga tradição iniciática que vinha sobrevivendo à passagem do século.

O jovem Ciro, de apenas 17 anos, já era habilitado na área de ensino nas matérias de literatura italiana, geografia e história, para a província de Nápoles. Alcançou seu doutorado em literatura pela Universidade de Nápoles, em 1883, dedicando-se ao jornalismo e à educação.

Em 1896, Giuliano Kremmerz fundou a Fraternidade Terapêutico-Mágica de Miriam (Fratellanza Terapeutico-Magica di Miriam) [I]. No mesmo período, as próprias custas, iniciou a publicação do fascículo "O Mundo Secreto" ( "Il Mondo Secreto"), revista que sucitou um grande número de interessados e muitas controvérsias. Alguns iniciados, que sempre consideraram a Magia como um privilégio reservado a poucos e escolhidos, não toleravam tal divulgação aberta e publicação impressa a respeito do assunto. Giuliano Kremmerz, no entanto, propôs sempre assuntos gerais da Magia Natural em suas publicações, reservando do grande público questões mais complexas e que só são transmitidas de modo pessoal e confidencial.

Suas referências à "Magia Transmutatória", em verdade, sempre foram discretas, de modo a deixar pistas aos reais interessados. O Mestre nunca foi explícito em informações que só poderiam ser transmitidas de modo direto e pessoal.

Com a Fraternidade de Miriam, Kremmerz restabeleceu a prática do hermetismo como método terapêutico, tornando-o mais acessível aos interessados, fato que não era uma profanação, mas uma revitalização.

Neste sentido, o mérito do Mestre Kremmerz foram muitos:

  • Resgatando a Magia de séculos de ignorância, negligência e obscurantismo, esclarecendo aos interessados mas temerosos, aos ignorantes e ao público em geral do que se tratava esta ciência, proporcionando toda a teoria em linguagem acessível e práticas simples e compreensíveis, mantendo ainda independência de movimentos como a teosofia e o espiritismo que polarizavam a visão da sociedade da época.
  • Valorizou sempre os conhecimentos das Tradições místicas e mágicas ocidentais, especialmente italianas, protegendo-as da possível influência ou mesmo esquecimento perante o crescente movimento orientalista.
  • Possibilitando o ensino das práticas e treinamentos iniciáticos a partir de graus mais baixos, possibilitando a dedicação de sinceros buscadores.
  • Deixou como herança além de sua Fraternidade, o resgate das práticas herméticas e um certo ramo Martinista Napolitano.

Faleceu em Beausoleil, aos 7 dias de maio de 1930. Hoje é uma das referências do hermetismo e resgate da tradição hermética no século XX.

[I] A Fraternidade de Miriam "foi fundada sobre as bases do Amor aos seres humanos” e “se ocupa exclusivamente da medicina oculta, em benefício de seus membros, Irmãos e Irmãs, e de todas as pessoas que sofrem física, moral ou espiritualmente, e que podem buscar nela um meio de cura", sendo que todas as despesas da Fraternidade “ são cobertas por doações e ofertas espontâneas de seus Irmãos e Irmãs, dos beneficiados em geral e seus Terapeutas.”