Mudanças entre as edições de "Hekas hekas este Bebeloi"

De Ocultura
Ir para navegação Ir para pesquisar
Linha 1: Linha 1:
 
{{Especial_Golden_Dawn}}
 
{{Especial_Golden_Dawn}}
  
''HEKAS, HEKAS, ESTE BEBELOI'' é o grito dos [[Ritos Eleusis | Mistérios Eleusianos]] e significa '''"Longe, ficai longe, profanos!"'''.
+
''Hekas Hekas, este Bebeloi''' é o grito dos [[Ritos Eleusis | Mistérios Eleusianos]] e significa ''"Longe, ficai longe, profanos!"''.
  
 
É um termo usado nas cerimônias da [[Golden Dawn]] (i.e. [[Mcgregor Mathers|McGregor Mathers]]) que foi tirado dos Ritos de Eleusis. Esse era o "comando", em Grego, para todos os profanos ou não iniciados deixarem a área preparatória para as Cerimônias Mágicas que se seguiriam. Hekas é também um Deus Egípcio que governa a Magia.
 
É um termo usado nas cerimônias da [[Golden Dawn]] (i.e. [[Mcgregor Mathers|McGregor Mathers]]) que foi tirado dos Ritos de Eleusis. Esse era o "comando", em Grego, para todos os profanos ou não iniciados deixarem a área preparatória para as Cerimônias Mágicas que se seguiriam. Hekas é também um Deus Egípcio que governa a Magia.

Edição das 15h31min de 8 de dezembro de 2008

Gd bg vermelho.jpg

Golden Dawn

S.L. McGregor Mathers
William Wynn Westcott
William Robert Woodman

Os Graus da Ordem
Manuscritos Cifrados
Hekas hekas este Bebeloi

Ritual do Neófito

Hierofante
Hiereus
Hegemon
Kerux
Stolistes
Dadouchos
Phylax

Hekas Hekas, este Bebeloi' é o grito dos Mistérios Eleusianos e significa "Longe, ficai longe, profanos!".

É um termo usado nas cerimônias da Golden Dawn (i.e. McGregor Mathers) que foi tirado dos Ritos de Eleusis. Esse era o "comando", em Grego, para todos os profanos ou não iniciados deixarem a área preparatória para as Cerimônias Mágicas que se seguiriam. Hekas é também um Deus Egípcio que governa a Magia.

Crowley preferia usar uma versão da mesma frase em Latim: "Procul, o procul este, profani!". Ambas possuem a mesma tradução. Esta fora usada por Virgílio na epopeia Eneida de 6.258 a.c.

Origem Remota

A primeira notícia do uso da frase "Procul, O procul este profani" foi no poema épico em Latim de Publius Vergilius Maro, A Eneida. O épico explica que Virgílio coloca essas palavras na boca da Sibila de Cuma que está se preparando para proferir uma grande profecia e exatamente com essa fala, afugenta os estranhos dizendo: "Afastai, ficai longe, ó impuros!"

Profanus em Latim significa literalmente aquele que está condenado a fica "fora (latim, pro) do templo (latim, fanum)". Originalmente profani eram os pagão (escória) que não eram autorizados a estarem dentro de lugares sagrados do santuário interno (Sanctum Sanctorum) porque não eram fiéis ou porque tinham sidos envenedados por outros pagãos trapaceiros. O tipo de linguagem baixa que esses rufiões provávelmente falavam eram, é claro, blasfêmias, profanação, da mesma maneira que esses que a usavam eram profanos.