Hórus

De Ocultura
Revisão de 14h17min de 15 de outubro de 2006 por Frater abo (discussão | contribs)
Ir para navegação Ir para pesquisar
01-100.jpg

Este artigo é somente um esboço para um artigo maior.
Quer ajudar a Ocultura? Acrescente alguma informação!

Unicursalsmall.gif
Esse artigo precisa de mais informação dentro do contexto de Thelema (i.e. Aleister Crowley, eventos históricos, organização, texto ou aspectos culturais de Thelema). Você pode ajudá-lo expandindo-o.

Hórus, para os antigos egipicios, é considerado a encarnação de Rá na terra, a manifestação fálico solar no plano material, o princípio do fogo. É um deus gêmeo, possuindo aspecto duplo: um ativo como heru-pa-khat, ou Hárpocrates parao gregos no período Ptolomaico; e um aspecto ativo, como Ra-heru-Khuit podendo ser escrito também como Ha-roor-Khuit, o seu aspecto marcial.

O princpipo hermético da polaridade está presente na sabedoria iniciatica egípcia, compreendendo a natureza nos seus aspectos ativos/passivos como complemetares.

Harpócrates, o Hórus menino é o primeiro iniciador, seu sinal, o do Silencio(colocando-se o dedo indicador da mão diretia sobre os lábios) já era um Sinal utilizado nos templo egípios simbolizando a iniciação pelo silencio, para um contato com Num, as águas primordiais da vida(Nuit), através da quietude interna. Era um Sinal sempre feito nos Templos antes de se iniciar toda toda prática, por mais simples que esta pudesse ser.