Choronzon

De Ocultura
Revisão de 13h43min de 12 de fevereiro de 2010 por Dyulax (discussão | contribs) (Choronzon de acordo com Crowley)
Ir para navegação Ir para pesquisar
Merriam Websters Dictionary.jpg Este artigo encontra-se parcialmente em língua estrangeira.
Ajude e colabore com a tradução.
Thelema template.gif

Thelema
Termos & Conceitos
Livro da Lei
Números em Thelema
Aleister Crowley


Nuit | Hadit | Horus
Babalon | Chaos
Aiwass | Ankh-af-na-khonsu


93
Abrahadabra
Aeons
Agape
Ânsia de Resultado
AUMGN
Dizendo Vontade
Chefes Secretos
Choronzon
Cidade das Pirâmides
Corpo de Luz
Estela da Revelação
Grande Obra
Magick
Noite de Pan
Sagrado Anjo Guardião
Sagrados Livros de Thelema
Verdadeira Vontade

Choronzon (também conhecido como 'Coronzon' ou pelo número '333') é um demônio originado dos escritos do século XVI dos ocultistas Edward Kelley e John Dee no sistema de magia enoquiano. No século XX ele tornou-se um elemento importante no sistema thelêmico, fundado por Aleister Crowley, onde Choronzon é o habitante do Abismo, acreditando-se que seja o último grande obstáculo no caminho do Iniciado. Thelemitas acreditam que caso ele seja encontrado com a preparação necessária, então sua função será a de "destruir" o Ego, o que permite ao adepto mover-se além do Abismo chegando à Cidade das Pirâmides.

Variações no nome

Incluindo a forma a qual Crowley escreve, parecem haver três alternativas. Meric Casaubon afirma que o nome é Coronzon (sem o 'h') em seu ‘True and Faithful Relation…’. No entanto, essa é uma variação da palavra escrita nos próprios diários de Dr. John Dee. Uma terceira maneira de se escrever, Coronzom, é listada no dicionário de enoquiano de Laycock, citando um manuscrito original (Cotton XLVI Pt. I, fol. 91a) como sendo a fonte da variante.

Choronzon de acordo com Crowley

Conhecido também como o Demônio da Dispersão, Choronzon é descrito por Crowley como uma personificação temporária das forças delirantes e inconsistentes que ocupam o Abismo. Neste sistema, é dada forma a Choronzon em evocação apenas de modo que ele possa ser dominado.

Crowley afirma que ele e Victor Benjamin Neuburg evocaram Choronzon no deserto do Saara. No relato de Crowley, não está claro se Choronzon foi evocado em um triângulo salomônico vazio enquanto Crowley sentava em outro lugar, ou se o próprio Crowley foi o meio no qual o demônio foi evocado. Quase todos os escritores com exceção de Lawrence Sutin interpretam a passagem como tendo sido a segunda opção. No relato, Choronzon é descrito como uma forma mutante, que é tida variavelmente como um relato de uma metamorfose real, uma impressão subjetiva de Neuburg, ou uma invenção da parte de Crowley.

O relato descreve o demônio jogando areia sobre o triângulo de modo que o quebrasse, em seguida atacando Neuburg 'na forma de um selvagem nu', fazendo com que Choronzon voltasse com a ponta de uma adaga. A descrição de Crowley do evento foi criticada como sendo inconfiável, já que as páginas originais impotantes estão arrancadas do caderno no qual isso foi escrito. Isso, juntamente com outras inconsistências no manuscrito, levou a expeculação de que o evento foi muito floreado de modo que suportasse o próprio sistema de crença de Crowley. Além disso, de acordo com o livro The Magic of my Youth de Arthur Calder-Marshall, Neuburg deu um relato completamente diferente do evento, afirmando que ele e Crowley evocaram o espírito de um operário egípcio.

Choronzon is deemed to be held in check pelo poder da deusa Babalon, habitante de Binah, a terceira Sephirah da Árvore a Vida. Tanto Choronzon quanto o Abismo são discutidos por Crowley em seu Confessions (cap. 66):

"The name of the Dweller in the Abyss is Choronzon, but he is not really an individual. The Abyss is empty of being; it is filled with all possible forms, each equally inane, each therefore evil in the only true sense of the word—that is, meaningless but malignant, in so far as it craves to become real. These forms swirl senselessly into haphazard heaps like dust devils, and each such chance aggregation asserts itself to be an individual and shrieks, "I am I!" though aware all the time that its elements have no true bond; so that the slightest disturbance dissipates the delusion just as a horseman, meeting a dust devil, brings it in showers of sand to the earth."

Referências