Mudanças entre as edições de "Chefes Secretos"

De Ocultura
Ir para navegação Ir para pesquisar
(Precedents and Early History)
(Sources)
Linha 20: Linha 20:
 
A discussão inicial dos Chefes Secretos está em Magick Without Tears, capítulo 9, embora o termo apareça em muitas escrituras de Crowley. Nas suas “Confissões”, Crowley freqüentemente examinou os acontecimentos de sua própria vida em termos dos quais ele supôs terem sido planos dos Chefes Secretos.
 
A discussão inicial dos Chefes Secretos está em Magick Without Tears, capítulo 9, embora o termo apareça em muitas escrituras de Crowley. Nas suas “Confissões”, Crowley freqüentemente examinou os acontecimentos de sua própria vida em termos dos quais ele supôs terem sido planos dos Chefes Secretos.
  
==Sources==
+
'''Chefes Secretos'''
*Crowley, Aleister. (1991). <i>Magick Without Tears</i>. Israel Regardie, ed. New Falcon Publications.
+
 
*Crowley, Aleister. (1989). ''The Confessions of Aleister Crowley: An Autohagiography.'' Edited by John Symonds and Kenneth Grant. London: Arkana.
+
Chefes Secretos (ocasionalmente “Chefes Secretos da A.'.A.'.”) Termo de Aleister Crowley para essas entidades sobrenaturais que conduzem o progresso da humanidade para fins que usualmente estão além da compreensão do homem mortal. Os Chefes Secretos estão pelo menos no grau de Magus e Magister Templi, e podem estar, ou não, na forma humana dependendo de suas próprias necessidades no momento, e são completamente desconhecidos ao restante da humanidade exceto em raras ocasiões em que estes verificam que faz parte do seu plano se revelar a uma pessoa.  
*Godwin, Joscelyn, Christian Chanel, John P. Deveney. (1995). ''The Hermetic Brotherhood of Luxor: Initiatic and Historical Documents of an Order of Practical Occultism.'' York Beach: Weiser.
+
 
*Johnston, K. Paul. (1994). ''The Masters Revealed: Madame Blavatsky and the Myth of the Great White Lodge.'' Albany: SUNY Press.
+
Crowley declarou acreditar que Aiwass, quem ditou o Livro da Lei a ele, Ab-ul-Diz e Amalantrah, entidades que ele se comunicou em outros trabalhos, eram todos Chefes Secretos. Em Magick Without Tears ele também declarou suspeitar que um homem de seu conhecimento (o qual ele não nomeou neste artigo particular) também era um Chefe Secreto.  
*MacKenzie, Kenneth. (1877). ''The Royal Masonic Cyclopaedia.'' (reprint) Kila: Kessinger.
+
 
*McIntosh, Christopher. (1997). ''The Rosicrucians: The History, Mythology, andn Rituals of an Esoteric Order.'' (3rd revised edition). York Beach: Weiser.
+
Os Chefes Secretos são dotados de imensos poderes, chamados “Ophidian Vibrations” que os possibilitam “insinuar [eles próprios] em qualquer conjunto desejado de circunstâncias.” (MWT, 9:92) Estes poderes permitem aos Chefes Secretos “induzir uma garota a bordar uma tapeçaria, ou iniciar um movimento político para culminar em uma guerra mundial; tudo em busca de algum plano sagrado além da competência ou da compreensão dos pensadores mais profundos e sutis.(MWT, 9:92-93)  
 +
 
 +
A discussão inicial dos Chefes Secretos está em Magick Without Tears, capítulo 9, embora o termo apareça em muitas escrituras de Crowley. Nas suas “Confissões”, Crowley freqüentemente examinou os acontecimentos de sua própria vida em termos dos quais ele supôs terem sido planos dos Chefes Secretos.  
 +
 
 +
'''Precedentes e História Antiga'''  
 +
 
 +
A fonte imediata de Crowley para a idéia dos Chefe Secretos foi a Ordem Hermética da Aurora Dourada (Golden Dawn), que aprovou o conceito, e justificou sua operação com referência a este. O ocultismo do século XIX esteve cheio de várias classes de “mestres secretos”, entretanto. The Hermetic Brotherhood of Luxor diz respeito a um “Círculo Interno” de mestres eruditos que podem ser contatados através da clarividência. Os Mahatmas (literalmente, “Grandes almas”) da Sociedade Teosófica foram um outro caso importante. Os Johnson's Masters Revealed exploraram a possibilidade de que, ao invés de guias do outro mundo ou fontes fictícios de legitimidade, os Mahatmas Teosóficos eram pessoas históricas com quem Blavatsky se associava.  
 +
 
 +
Possivelmente o exemplo mais antigo do conceito de Chefes Secretos é encontrado nos “Unknown Superiors” (Superiores Incognitii) do Rito de Observância Estrita, um corpo Maçônico Templário fundado pelo Baron von Hund no meio do século XVIII. Alguns escritores (Kenneth MacKenzie, por exemplo) acreditava que os superiores de Hund foram os Jesuítas. Ao mesmo tempo, entretanto, a Ordem Dourada- e Rosacruz alemã também se referira ao seus próprios Chefes Secretos misteriosos (unbekannte Oberen).

Edição das 20h22min de 25 de outubro de 2006

Thelema template.gif

Thelema
Termos & Conceitos
Livro da Lei
Números em Thelema
Aleister Crowley


Nuit | Hadit | Horus
Babalon | Chaos
Aiwass | Ankh-af-na-khonsu


93
Abrahadabra
Aeons
Agape
Ânsia de Resultado
AUMGN
Dizendo Vontade
Chefes Secretos
Choronzon
Cidade das Pirâmides
Corpo de Luz
Estela da Revelação
Grande Obra
Magick
Noite de Pan
Sagrado Anjo Guardião
Sagrados Livros de Thelema
Verdadeira Vontade

Merriam Websters Dictionary.jpg Este artigo encontra-se parcialmente em língua estrangeira.
Ajude e colabore com a tradução.

Secret Chiefs (sometimes "Secret Chiefs of the A.'.A.'.") Aleister Crowley's term for those praeternatural entities which direct the progress of humanity for ends that are usually beyond the ken of mortal men. The Secret Chiefs are of at least the grade of Magus and Magister Templi, may or may not be in human form depending on their own needs at the time, and are utterly unknown to the rest of humanity except in the very rare times when they find it part of their plan to reveal themselves to one person.

Crowley stated that he believes that Aiwass, who dictated The Book of the Law to him, and Ab-ul-Diz and Amalantrah, entities he contacted in other workings, were all Secret Chiefs. In Magick Without Tears he also stated he suspected that a man of his acquaintance (whom he did not name in that particular article) was also a Secret Chief.

The Secret Chiefs are possessed of immense powers, called the "Ophidian Vibrations" which allow them to "insinuate [themselves] into any desired set of circumstances." (MWT, 9:92) These powers allow the Secret Chiefs "to induce a girl to embroider a taperstry, or initiate a political movement to culminate in a world-war; all in pursuit of some plan wholly beyond the purview or the comprehension of the deepest and subtlest thinkers." (MWT, 9:92-93)

The primary discussion of the Secret Chiefs is in Magick Without Tears, chapter 9, although the term appears in many of Crowley's writings. In his Confessions, Crowley often discusses the events of his own life in terms of what he supposes to have been the plans of the Secret Chiefs.

Chefes Secretos

Chefes Secretos (ocasionalmente “Chefes Secretos da A.'.A.'.”) Termo de Aleister Crowley para essas entidades sobrenaturais que conduzem o progresso da humanidade para fins que usualmente estão além da compreensão do homem mortal. Os Chefes Secretos estão pelo menos no grau de Magus e Magister Templi, e podem estar, ou não, na forma humana dependendo de suas próprias necessidades no momento, e são completamente desconhecidos ao restante da humanidade exceto em raras ocasiões em que estes verificam que faz parte do seu plano se revelar a uma pessoa.

Crowley declarou acreditar que Aiwass, quem ditou o Livro da Lei a ele, Ab-ul-Diz e Amalantrah, entidades que ele se comunicou em outros trabalhos, eram todos Chefes Secretos. Em Magick Without Tears ele também declarou suspeitar que um homem de seu conhecimento (o qual ele não nomeou neste artigo particular) também era um Chefe Secreto.

Os Chefes Secretos são dotados de imensos poderes, chamados “Ophidian Vibrations” que os possibilitam “insinuar [eles próprios] em qualquer conjunto desejado de circunstâncias.” (MWT, 9:92) Estes poderes permitem aos Chefes Secretos “induzir uma garota a bordar uma tapeçaria, ou iniciar um movimento político para culminar em uma guerra mundial; tudo em busca de algum plano sagrado além da competência ou da compreensão dos pensadores mais profundos e sutis.” (MWT, 9:92-93)

A discussão inicial dos Chefes Secretos está em Magick Without Tears, capítulo 9, embora o termo apareça em muitas escrituras de Crowley. Nas suas “Confissões”, Crowley freqüentemente examinou os acontecimentos de sua própria vida em termos dos quais ele supôs terem sido planos dos Chefes Secretos.

Chefes Secretos

Chefes Secretos (ocasionalmente “Chefes Secretos da A.'.A.'.”) Termo de Aleister Crowley para essas entidades sobrenaturais que conduzem o progresso da humanidade para fins que usualmente estão além da compreensão do homem mortal. Os Chefes Secretos estão pelo menos no grau de Magus e Magister Templi, e podem estar, ou não, na forma humana dependendo de suas próprias necessidades no momento, e são completamente desconhecidos ao restante da humanidade exceto em raras ocasiões em que estes verificam que faz parte do seu plano se revelar a uma pessoa.

Crowley declarou acreditar que Aiwass, quem ditou o Livro da Lei a ele, Ab-ul-Diz e Amalantrah, entidades que ele se comunicou em outros trabalhos, eram todos Chefes Secretos. Em Magick Without Tears ele também declarou suspeitar que um homem de seu conhecimento (o qual ele não nomeou neste artigo particular) também era um Chefe Secreto.

Os Chefes Secretos são dotados de imensos poderes, chamados “Ophidian Vibrations” que os possibilitam “insinuar [eles próprios] em qualquer conjunto desejado de circunstâncias.” (MWT, 9:92) Estes poderes permitem aos Chefes Secretos “induzir uma garota a bordar uma tapeçaria, ou iniciar um movimento político para culminar em uma guerra mundial; tudo em busca de algum plano sagrado além da competência ou da compreensão dos pensadores mais profundos e sutis.” (MWT, 9:92-93)

A discussão inicial dos Chefes Secretos está em Magick Without Tears, capítulo 9, embora o termo apareça em muitas escrituras de Crowley. Nas suas “Confissões”, Crowley freqüentemente examinou os acontecimentos de sua própria vida em termos dos quais ele supôs terem sido planos dos Chefes Secretos.

Precedentes e História Antiga

A fonte imediata de Crowley para a idéia dos Chefe Secretos foi a Ordem Hermética da Aurora Dourada (Golden Dawn), que aprovou o conceito, e justificou sua operação com referência a este. O ocultismo do século XIX esteve cheio de várias classes de “mestres secretos”, entretanto. The Hermetic Brotherhood of Luxor diz respeito a um “Círculo Interno” de mestres eruditos que podem ser contatados através da clarividência. Os Mahatmas (literalmente, “Grandes almas”) da Sociedade Teosófica foram um outro caso importante. Os Johnson's Masters Revealed exploraram a possibilidade de que, ao invés de guias do outro mundo ou fontes fictícios de legitimidade, os Mahatmas Teosóficos eram pessoas históricas com quem Blavatsky se associava.

Possivelmente o exemplo mais antigo do conceito de Chefes Secretos é encontrado nos “Unknown Superiors” (Superiores Incognitii) do Rito de Observância Estrita, um corpo Maçônico Templário fundado pelo Baron von Hund no meio do século XVIII. Alguns escritores (Kenneth MacKenzie, por exemplo) acreditava que os superiores de Hund foram os Jesuítas. Ao mesmo tempo, entretanto, a Ordem Dourada- e Rosacruz alemã também se referira ao seus próprios Chefes Secretos misteriosos (unbekannte Oberen).