Bael

Revisão de 12h16min de 1 de fevereiro de 2011 por Manuel Baumel (discussão | contribs)
(dif) ← Edição anterior | Revisão atual (dif) | Versão posterior → (dif)

Este artigo é parte integrante da série Goétia

Goetia (Latim da Idade Média), do Grego γοητεία (goēteia - "feitiçaria"). Refere-se à prática de Invocação de Anjos ou a Evocação de Demônios descritos no grimório do séc. 17, The Lesser Key of Solomon (A Chave Menor de Salomão) que retrata a Ars Goetia em sua primeira seção. O texto que se segue refere-se a algum espírito ou elemento deste sistema de magia, no entanto, é altamente recomendável que iniciantes leiam o artigo raiz, onde a definição de Goetia pode ser encontrada.

Bael ou Baal é o primeiro espírito da Goetia, é um rei que governa no leste, senhor da tempestade e da fecundidade. Seu nome vem da palavra ba’l e significa "dono", "senhor". Este espírito fala atropeladamente e guarda o poder de torná-lo invisível. Ele reina sobre 66 legiões de espíritos infernais e manifesta-se sob variadas formas, às vezes como um homem, e às vezes de todas as formas possíveis de uma vez.

DESCRIÇÃO

• Posição Zodiaca 0-4 graus de Áries • Março 21 .-25. * (21-30 março) • Carta do Tarô:2 de Barras (ditado por Azazel) • Cor da Vela: Preto • Planta: Samambaia • Planeta: Sol (ditado por Azazel) • Metal: Ferro * (Ouro) • Elemento do Fogo • Rank: Rei

Bael1.JPG

Selo de BAEL

Bael2.JPG

Mitologia

Baal é uma divintade fenicia, figura central na religiosidade da antiga Ugarit. Segundo a mitologia, a sua casa era o Monte Casio, o antigo Sapanu. Ele era o tradicional deus semita da tempestade, ao qual correspondevam também o controle da fertilidade e da fecundaçao. Na mitologia grega Baal era associado ao nome Kronos, e depois Saturno pelos romanos.

Invisibilidade

A invisibilidade, neste caso, deve ser interpretada como "passar despercebido aos olhos".

Ver Também