ARN

De Ocultura
Revisão de 06h09min de 17 de janeiro de 2011 por Dyulax (discussão | contribs)
(dif) ← Edição anterior | Revisão atual (dif) | Versão posterior → (dif)
Ir para navegação Ir para pesquisar

Este artigo é parte integrante da série A Visão e a Voz - Liber 418

Liber 418: A Visão e a Voz, é considerado por Aleister Crowley como o segundo livro em importância, perdendo apenas para Liber AL vel Legis Para obtê-lo, Aleister Crowley e seu discípulo, o poeta inglês Victor Benjamin Neuburg, viajaram as terras áridas da Argélia e ali realizaram invocações específicas valendo-se do sistema enoquiano de John Dee e Edward Kelley.


Menu aethyrs.jpg
Definição - Æthyr
A Visão e a Voz - Liber 418
TEX - 30º Æthyr
RII - 29º Æthyr
BAG - 28º Æthyr
ZAA - 27º Æthyr
DES - 26º Æthyr
VTI - 25º Æthyr
NIA - 24º Æthyr
TOR - 23º Æthyr
LIN - 22º Æthyr
ASP - 21º Æthyr
KHR - 20º Æthyr
POP - 19º Æthyr
ZEN - 18º Æthyr
TAN - 17º Æthyr
LEA - 16º Æthyr
OXO - 15º Æthyr
UTA - 14º Æthyr
ZIM - 13º Æthyr
LOE - 12º Æthyr
IKH - 11º Æthyr
ZAX - 10º Æthyr
ZIP - 9º Æthyr
ZID - 8º Æthyr
DEO - 7º Æthyr
MAZ - 6º Æthyr
LIT - 5º Æthyr
PAZ - 4º Æthyr
ZOM - 3º Æthyr
ARN - 2º Æthyr
LIL - 1º Æthyr

ARN é o 2º Æthyr invocado no Liber 418. Refere-se às bodas do Vidente e Babalon. (Atu VI).

Aethyr 2.gif

A invocação do 2º Æthyr chamado ARN

Em primeiro lugar aparece novamente a mulher montada num touro, é um reflexo de BABALON cavalgando A Besta. Também vejo uma lenda Assíria sobre uma mulher com um peixe e também a de Eva e a Serpente, pois Cain era o filho de Eva com a Serpente e não de Eva e Adão; e quando ele matou seu irmão, sendo o primeiro assassino, sacrificando coisas vivas ao seu demônio, ganhou uma marca na testa, a qual é a marca da Besta citada no Apocalipse além de ser o sinal da iniciação.


O sangue derramado é necessário, pois Deus não ouviu os filhos de Eva até que isso fosse feito. E essa é uma religião externa; mas Cain não conversou com Deus, nem tinha a marca da iniciação na fronte, assim que ele fora renegado pelos homens até que tivesse derramado sangue. E esse sangue era o de seu irmão. Esse é um mistério da sexta chave do Tarô a qual não deveria ser chamada de Os Amantes, mas Os Irmãos.


No centro da carta está Cain; na sua destra o Martelo de Thor com o qual ele ceifa a vida do irmão e banha tudo com sangue. A sua mão esquerda ele mantém aberta fazendo um sinal de inocência. Á direita vejo sua mãe, Eva, com uma serpente enrolada no corpo tendo a cabeça do réptil erguida por trás dela; e na esquerda uma figura parecida com a Kali hindu, porém mais sedutora. Mesmo assim reconheço-a como Lilith. E acima dele está o Grande Sigilo da Flecha descendente trespassando, porém, o coração do menino. Esta Criança também é Abel. E o significado desta parte do atu é obscuro, mas este é o desenho correto desta carta do Tarô; e esta é a correta fábula mágica da qual os escribas Hebreus, que não eram iniciados completos, roubaram sua lenda da Queda e dos eventos posteriores. Eles juntaram diferentes fábulas para tentar fazer uma história única, enfeitando-as e ajustando-as as suas próprias condições sociais e políticas.


Tudo isso acontece sem nenhuma imagem ou voz.


Não tenho nenhuma idéia da onde vem o que está sendo dito. Tudo o que posso afirmar é que surge sobre a Pedra um tipo de orvalho, como brumas, que esquenta ao meu toque.


O que consigo entender é que o Apocalipse foi criado tendo como base dúzias de alegorias sem nenhuma conexão entre si, grosseiramente ajustadas para se tornarem um tipo de tratado coerente e servindo aos interesses da Cristandade, pois havia muitas críticas de que essa religião não oferecia um verdadeiro conhecimento espiritual ou alimento para as melhores mentes, nada além de milagres, os quais enganam o mais ignorante e Teologia, que serve apenas aos pedantes.


Assim um homem, imitando o estilo de João, pegou essa coletânea e transformou no Cristismo. E isso explica o porquê do fim do mundo ainda não ter acontecido como previsto naqueles textos.


Não existe nada na Pedra, além de uma Rosa Branca. Então uma voz vem: não haverá mais rosas vermelhas, pois ela verteu o sangue de todas as cousas em sua taça.


Por um tempo, pareceu que rosa estava no seio de uma bela mulher, de peitos fartos, alta, majestosa, dançando como uma cobra. Mas era uma visão sem substância.


Agora vejo a Rosa branca, como se estivesse no bico de um cisne, na imagem de Miguelangelo em Veneza. E essa lenda também é a de BABALON.


Tudo isso, porém está antes do véu do Æthyr. Agora eu irei fazer algumas preparações e retornarei para repetir o chamado do Æthyr.


Biskra
18 de Dezembro de 1909, 9:20 - 10:05.



Não seria uma questão de incapacidade de entrar no Æthyr, e assim tentar forçar a entrada, mas não estava próximo a ele.


Uma voz vem: Quando teu pó espalhar a terra sobre a qual Ela caminha, então poderá tu tolerar a pressão do Seu pé. E tu pensaste em contemplar o semblante Dela!


A Pedra começa a brilhar numa brancura intensa na quais todas as cores estão implícitas. Todas as cores são embotamento e perturbação na Pedra. Assim são todas essas visões. Todas são falsidade. Cada idéia marca os pontos onde a mente do Vidente possuía a incapacidade de receber a luz, e então refleti-la. Assim como a luz pura é incolor a alma pura é negra.


E esse é o Mistério do incesto de CHAOS cometido com sua filha.


Nada é visível.


Mas eu perguntei ao Anjo, que se encontra ao meu lado, se o ritual foi realizado pontualmente. E ele responde: Sim, o Æthyr está presente. Acontece que tu não podes percebê-lo, assim como eu, pois ele está totalmente além da tua concepção de que não existe nada em tua mente em que se possa jogar um símbolo, do mesmo modo que vazio do espaço não é odiado pelo fogo do sol. Pela luz ser tão pura, ela não deixa que imagens se formem e por isso os homens chamaram-na de escuridão. Pois com a mínima luz que seja, a mente responde fazendo para si, diversas moradas. E está escrito: “Na casa do meu pai existem diversas moradas” e se a casa for destruída quantas moradas estão nela! Pois essa é a vitória de BABALON sobre o Magista que a enfeitiçou. Pois como a Mãe ela é 3 por 52 e como a prostituta 6 por 26; mas ela é também 12 por 13 e isso é a pura unidade. Além disso, ela é 4 por 39 que é a vitória sobre o poder de 4 e no 2 por 78 no qual ela destruiu a grande Feitiçaria. Assim ela é a síntese de 1 e 2 e 3 e 4 cuja soma é 10, então poderia ela sentar sua filha em seu próprio trono e manchar sua própria cama com a virgindade dela.


E eu pergunto ao Anjo se existe algum modo pelo qual possa fazer-me merecedor da contemplação dos Mistérios deste Æthyr.


Ele replicou: Isso não é do meu conhecimento; mesmo que repitas, no silêncio o Chamado do Æthyr e espere pacientemente pelo auxilio do Anjo, pois Ele é um poderoso Anjo e nunca ouvi o mais leve ruflar de sua asa.


Esta é a tradução do Chamado do Æthyr.


Ó céus sim, os que habitam o primeiro Ar e são poderosos nas partes da terra e nela realizam o julgamento do altíssimo, a vocês eu digo: Contemplai a face do teu Deus, o início do conforto cujos olhos são o esplendor dos céus, os quais provem a ti para governar a terra e a sua indizível variedade, dando-te um poder de compreensão, que possas dispor de todas as cousas de acordo com a presciência Dele que senta no Trono Sagrado erguendo-se no início dizendo: A terra que ela seja governada por suas partes (esta é a prostituição de BABALON com Pan) e que nela haja divisão (a formação de Muitos provindos da Unidade) que a sua glória possa sempre ser o êxtase e a agitação do orgasmo. O curso dela circula com os céus (isto é, que seu caminho seja sempre harmonioso com o paraíso) e, como uma criada, deixe-a servi-los (isto é, a Virgem da Eternidade deitando na cama de CHAOS). Uma estação deixe-a confundir outra (isto é, que exista inesgotável variedade de predicados) e que não hajam criaturas, sobre ou dentro dela, iguais entre si (isto é, que exista inesgotável variedade de sujeitos). Todos os seus membros dela deixai-os diferenciar-se em suas virtudes e que não haja criatura igual a outra (pois se houvesse duplicidade ou omissão não seria perfeição no todo). As criaturas racionais da terra e os homens, que eles caiam em cólera e extirpem um ao outro (isto é, a destruição da razão pelos mortais conflitos no curso da redenção). E suas moradas, que eles esqueçam o nome delas (isto é, o surgimento de Nemo). A obra do homem e seu esplendor, que eles apodreçam (isto é, na Grande Obra o homem deve perder a sua personalidade). Sua construção, que seja uma caverna para o Campo da Besta (“Sua construção” significa o Vault dos Adeptos e a “Caverna” é a Caverna das Montanhas de Abiegnus e a “Besta” é aquela na qual BABALON cavalga e “Campo” é o Éden superno). Confunda a compreensão dela com trevas (Esta sentença é explicada pelo dito a Binah ). Pois me regozijo pela Virgem e pelo Homem (Kelly não entendeu esse Chamado e não acreditou que essa sentença foi assim escrita, já que parecia contradizer o resto da invocação, por isso o alterou). Que ela seja conhecida e o outro um estranho (isto é, o Mistério do Santíssimo é, ao mesmo tempo, idêntico e a parte de tudo), pois ela esta no leito de uma meretriz e a morada dele desmoronou (Este é o Mistério revelado no último Æthyr, o universo sendo, como fora, um jardim onde os Santíssimos obtém seus prazeres). Ó céus sim, erguei-vos; os céus inferiores, que eles assim sirvam-te (Essa é uma ordem para que a totalidade das coisas una-se num êxtase universal). Governai aqueles que governam; rebaixe-os; traga aqueles que crescem; e destrua o podre (Isso significa que tudo terá seu próprio prazer ao seu próprio modo). Em nenhum lugar que fiquem em um número. (“ Nenhum lugar é o infinito Ain ”, ” que fiquem em um número ”, que ele se concentre em Kether) Somai e subtrai até as que estrelas sejam contadas (esse é um mistério do Logos formulado pela Cabala, pois as estrelas são todas as letras do Sagrado Alfabeto como dito em um Æthyr anterior). Erguei-vos! Movei-vos! e Aparecei-vos! Ante o pacto feito entre sua boca e aquilo mostrado em sua Justiça (“O Pacto” é a letra Aleph; “Sua boca”, Pe; “Sua Justiça” Lamed e esses somam novamente com Aleph, assim estando na letra Aleph que é zero, simbolizando os círculos dos Æthyrs que ele invocou. Porém os homens pensaram que Aleph fosse a inicial ARR, praguejando, quando, na verdade, era a inicial de AChD, unidade e AHBH, amor. Assim ocorreu a mais horrível e maligna blasfêmia, feita pelo mais negro de todos os irmãos negros começando Barashith com um beth, a letra do Magista. Por esse simples artifício ele criou toda a ilusão do sofrimento) (814) . Mostrai os mistérios da sua criação e compartilhai conosco o imaculado conhecimento (A palavra aqui é “IADNAMAD” não é a palavra mais comum para conhecimento. É uma palavra de oito letras, que é o secreto nome de Deus, sintetizado na letra cheth; pelo qual podemos ver o Æthyr correspondente a essa letra, o décimo-segundo).


Durante um tempo eu olhei para a Pedra mas não havia imagem alguma nela ou sinal de qualquer coisa, para então surgirem três flechas arranjadas da seguinte maneira:


Aethyr 2 1.jpg


Esta é a letra Aleph no Alfabeto das Flechas.


(Enquanto estava fazendo a tradução do Chamado dos Æthyrs, as solas dos meus pés estavam queimando, como se estivesse em cima de aço fervente).


Então o fogo cobriu-me e ressecou-me, uma tortura. E o meu suor está amargo como veneno. E todo o meu sangue torna-se agro em minhas veias, como gonorréia. Parece que estou apodrecendo rapidamente e os vermes devorando-me vivo.


Uma voz, não minha ou externa diz: Lembrai de Prometeus; lembrai de Ixion.


Estou rasgando o nada. Não darei atenção. Pois até esse pó deve ser consumido pelo fogo.


Embora não exista imagem ainda pelo menos resta uma sensação de obstrução, como se houvesse alguém puxando próximo a fronteira do Æthyr.


Mas estou morrendo.


Não consigo avançar ou esperar. Meus ouvidos agonizam, bem como minha garganta, e meus olhos parecem tão cegos há muito que não consigo lembrar que existe visão.


Chega a mim que devo ir embora e esperar a chegada do véu do Æthyr. Acho que irei para Hot Springs.


Então afasto a Pedra do meu peito.


Biskra.
10:15-11:52


Flashes de luz estão piscando na Pedra, mais especificamente no topo e na parte inferior vejo uma pirâmide negra cujo topo está uma vesica piscis. Ela é incolor, porém brilhante.


As duas curvas da Pisces são da seguinte maneira:


Aethyr 2 2.jpg


Eles são as mesmas curves da vesica, porém estão cingidas.


Uma voz diz: Como pode o que está enterrado nas pirâmides contemplar aquilo que desce do cume?


E novamente chega a mim sem voz: a maternidade é o símbolo dos Mestres. Pois, primeiro eles devem entregar sua virgindade para ser destruída e a semente permanecer oculta neles por nove luas cheias e minguantes e cercando-a com o Fluido Universal. E devem alimentá-la com o sangue por fogo. Assim a criança se tornará um ser vivo. Depois haverá muito sofrimento e muita alegria, após isso eles rasgam e é isso tudo que eles dão graças para depois darem de mamar.


Tudo isso acontece enquanto a visão na Pedra de Visão permanece parada salvo as luzes aumentando de intensidade, e atrás a vesica piscis transforma-se numa cruz negra que vai do topo as laterais da Pedra. Então um negrume toma conta do ambiente engolfando as imagens.


Então não nada resta além de um grande triângulo negro com o cume voltado para baixo tendo ao centro está a face de Tifão, o Senhor das Tempestades que brada: Desesperai! Desesperai! Pois tu ludibriaste a Virgem e bajulaste a Mãe. Mas o que dirás a antiga Prostituta entronada na Eternidade? Pois se ela não falar, não existe força nem perspicácia, nem qualquer saber que possa prevalecer sobre ela.


Tu não podes cortejá-la com amor, pois ela é o amor. E ela tudo possui e de ti nada precisa.


E tu não podes cortejá-la com ouro, pois todos os Reis e capitães da terra e todos os deuses dos céus, derramaram ouro sobre ela. Assim, ela possui tudo e de ti nada precisa.


E tu não podes cortejá-la com conhecimento, pois conhecimento é uma cousa que ela despreza. Ela tem tudo e de ti nada precisa.


E tu não podes cortejá-la com saber, pois o Senhor dela é Saber.


Ela tudo tem e de ti nada precisa. Desesperai! Desesperai!


Nem podes tu pega-la pelos joelhos e pedir por piedade; nem podes tu chegar ao seu coração e pedir por amor; nem podes tu colocar teus braços em sua nuca e pedir por compreensão; pois tu possuis todos esses e eles não podem ajudá-lo. Desesperai! Desesperai!


Então eu pego a Espada Flamejante e invisto contra Tifão e sua cabeça é partida em pedaços e o triângulo negro se dissolve em relâmpagos.


Porém do mesmo modo que partiu sua voz sai: Nem podes tu vencê-la coma Espada, pois os olhos dela estão fixos nos Dele em cujas mãos estão o punho da Espada.

Desesperai! Desesperai!


E o eco do grito era o de sua espada, idênticos, apesar de ser diferentes: Nem podes tu vence-la com a Serpente, pois a Serpente seduziu-a primeiro. Desesperai! Desesperai!


(Então ele bradou como se estivesse em fuga)


Eu sou Leviatã, a grande Serpente Perdida do Mar. Eu me retorço eternamente em tormento e chicoteio o oceano com minha cauda fazendo um redemoinho de espuma que é venenoso e amargo e não tenho propósito algum. Eu não vou a lugar algum. Não vivo ou morro. Eu deliro, deliro na minha agonia de morte. Eu sou o Crocodilo que devorou as crianças dos homens. E pela malícia de BABALON eu tenho fome, fome, fome.


Tudo isso acontece enquanto a Pedra permanece mais inerte ainda; tão ou mais sem vida do que no início. Então se ilumina apenas em sua beleza física. E agora, em sua face, brota uma grande Rosa negra cujas pétalas, apesar de não indicar, compõem uma face maligna. E seu caule tem cobras negras vindas do inferno. Ela esta viva, um único pensamento me deixa a par disso. Ela avança para me agarrar, para matar. Mas, por causa de um único pensamento eu mantenho esperança em relação a ela.


Creio que a Rosa possui cento e cinqüenta e seis pétalas e, apesar de negra, possui uma luminosidade rubra.


Ela está no centro da Pedra e não consigo ver ninguém a segurando.


Aha! Aha! Aha! Afasta a visão!


Sagrado!Sagrado!Sagrado és tu!


Luz, Vida e Amor são como três vaga-lumes aos teus pés: a totalidade do universo de estrelas, as gotas de orvalho na grama onde tu caminhaste!


Estou completamente cego.


Tu és Nuit! Tensão, tensão, tensão em minha alma!


A ka dua
Tuf ur biu
Bi a'a chefu
Dudu ner af an nuteru
Falutli! Falutli!


Eu me uno ao Æthyr flamejante como Lúcifer que caiu pelo Abismo e pela fúria do seu vôo incendiando o ar.


Eu sou Belial, por ter visto a Rosa sobre teu peito, eu reneguei Deus.


E eu sou Satã! Eu sou Satã! Eu fui jogado num precipício em chamas! E o mar ferve na desolação desse lugar. Então os abutres se juntam e devoram minha carne.


Sim! Diante de ti tudo o que é mais santo torna-se profano, Ó tu desolador de santuários! Ó tu deturpador dos oráculos da verdade! Desde sempre tem sido assim. A verdade do profano era a falsidade do Neófito e a verdade do Neófito era a falsidade do Zelator! De novo e de novo as fortalezas devem ser derrubadas! As torres devem ser derrubadas! E de novo, e de novo devem os deuses ser profanados!


E agora eu me deito de costas a sua frente no terror e na humilhação. Ó Pureza! Ó Verdade! O que direi? Minha língua é partida pelas minhas mandíbulas, Ó tu Medusa que me fez pedra! Mesmo que ela seja a pedra dos filósofos. Ainda que seja a língua de Hadit. Aha! Aha!


Sim! Deixai-me tomar a forma de Hadit diante de ti e cantar:


A ka dua
Tuf ur biu
Bi a'a chefu
Dudu ner af an nuteru.


Nuit! Nuit! Nuit! Como tu te manifestaste neste lugar! Este é um Mistério inefável. Ele é meu e não poderei revelá-lo nem a Deus ou ao homem. Ele é reservado a ti e a mim!


Aha! Aha!
A ka dua
Tuf ur biu
Bi a'a chefu
Dudu ner af an nuteru.


…O meu espírito não existe mais; minha alma não existe mais. Minha vida se esvai para a aniquilação!


A ka dua
Tuf ur biu
Bi a'a chefu
Dudu ner af an nuteru.


Isso é o lamento do meu corpo! Salve-me! Eu cheguei muito perto. Eu cheguei tão perto que não posso continuar. Eu devo despertar meu corpo; ele deve firmar-se.


Deve afastar o Æthyr senão ele morrerá.


Cada pulsação dói e bate furiosamente. Cada nervo pica como uma serpente. Minha pele gela.


Nem Deus ou homem pode penetrar no Mistério do Æthyr.


(Aqui o Vidente balbucia algo ininteligível)


E mesmo que entendesse não poderia ouvir sua voz. Pois para o profano a voz do Neófito é chamada silencio e para o Neófito a voz do Zelator é chamada silencio. E assim sempre foi.


Visão é fogo e é o primeiro ângulo da Tábua (847) ; o espírito ouve e é o centro disso; tu assim que é todos os espíritos e fogo e não tens elementos brutos em tua estrela; tu chegas a visão e ao final de tua vontade. E se vós ouvirdes a voz do Æthyr (848) , invoque na noite não usando outra luz que não a da lua crescente. Então poderás ouvir a voz, apesar de que possas compreende - la não. Será um encantamento poderoso, com o qual tu podes expor o âmago de tua compreensão para a violência de CHAOS.


Agora, pela ultima vez que o véu do Æthyr seja rasgado.


Aha! Aha! Aha! Aha! Aha! Aha! Aha!
A ka dua
Tuf ur biu
Bi a'a chefu
Dudu ner af an nuteru


Este Æthyr deve ser deixado incompleto até a lua crescente.



Hammam Salahin.
18 de Dezembro de 1909 - 15:10 as 16:25.



An olvah nu arenu olvah. Diraeseu adika va paretanu poliax poliax in vah rah ahum subre fifal. Lerthexanax. Mama ra-la hum fifala maha.


Isso vem de uma flauta, é uma melodia débil e límpida. E também ouço mum tipo de tinido de sino.


E há um instrumento de corda, parecido com cítara. E também uma voz humana.


E a voz diz: esta é a Canção da Esfinge que soa continuamente nos ouvidos dos homens.


Essa é a canção das sirenes. E quem ouvir estará perdido.


I


Mu pa telai,
Tu wa melai
a, a, a
Tu fu tulu!
Tu fu tulu
Pa, Sa, Ga.


II


Qwi Mu telai
Ya Pa melai;
u, u, u.
'Se gu melai;
Pe fu telai,
Fu tu lu.


III


O chi balae
Wa pa malae: -
Ut!Ut!Ut!
Ge; fu latrai,
Le fu malai
Kut! Hut! Nut!


IV


Al Oai
Rel moai
Ti-Ti-Ti
Wa la pelai
Tu fu latai
Wi, Ni, Bi.



Tradução da Canção.


I


Silencio! a lua cessou (o seu movimento),
Que também era doce
No ar, no ar, no ar!
Quem a vontade alcançará!
Quem a vontade alcançará!
Pela Lua e por Mim mesmo e pelo Anjo do Senhor!


II


Então cessa o Silêncio.
E a lua cresce docemente;
(Chegou a hora da) Iniciação, Iniciação, Iniciação.
O beijo de Isis é doçura;
Minha própria Vontade acabou,
Pois Vontade alcançou.


III


Contemplai o leão-criança nadando (no céu)
E a lua baila:
(Ela é) Tu! (Ela é) Tu! (Ela é) Tu!
Triunfo; a Vontade foi roubada (como por um ladrão)
A Forte Vontade que se assustou
Ante Ra Hoor Khuit! -- Hadit! -- Nuit!


IV


Para o Deus OAI
Glorificai
No fim e no início!
E ninguém pode ceder
Quem conseguirá?

A Espada, a Balança, a Coroa!


E aquilo que tu ouviste não era nada mais do que orvalho brotando de meus membros pois eu danço na noite, nu sobre a grama, em lugares escuros pelo curso dos jorros.


Muitos são aqueles que amaram as ninfas das florestas e das lagoas e das fontes e das colinas. E desses, alguns ensandeceram. Pois não era uma ninfa, mas eu mesmo que caminhei sobre a terra pelos meus prazeres. E havia muitas imagens de Pan e homens adorando-o e como um belo deus ele fez suas oliveiras crescerem em pares e suas vinhas aumentarem; mas alguns foram mortos pelos deuses, pois fui eu quem teceu as guirlandas nele.


Agora vem uma canção.


Tão doce é essa canção que ninguém pode resistir a ela. Pois nela estão todas as dores de paixão sob a luz do luar e toda a fome do mar e o terror dos locais desolados, todas as coisas que atraem os homens ao inatingível.


Omari tessala marax,
tessala dodi phornepax.
amri radara poliax
armana piliu.
amri radara piliu son';
mari narya barbiton
madara anaphax sarpedon
andala hriliu.


Tradução


Eu sou a meretriz que sacudiu a Morte.
Esta sacudida dá Paz a Luxúria Saciada.
Imortalidade jorra de meu crânio
E música da minha vulva.
Imortalidade jorra também da minha vulva
Pois a minha Prostituição é um doce odor como um instrumento afinado sete vezes.
Jogado a Deus o Invisível, aquele que tudo governa.
Que percorre dando o penetrante grito do orgasmo.


Todo aquele que me viu jamais me esqueceu e eu apareço nas brasas do fogo e na suave pela alva da mulher e na constância da cachoeira e no vazio dos desertos e pântanos e nos grandes penhascos que contemplam o oceano; e em muitos lugares estranhos onde os homens procuram-me não. E milhares de vezes ele contemplou-me não. E, por último, choco-me contra ele do mesmo modo que o olhar em uma pedra e cujo chamado devo seguir.


Agora me vejo num círculo de Druida, numa vasta planície.


Surge uma série de belíssimas visões de desertos e poentes e ilhas no mar, num verde além da imaginação. Mas elas não possuem substância.


Uma voz vem: esta é a santidade do amor estéril e labor sem propósito. Pois no fazer de algo para razão desse algo está a concentração e essa é a mais sagrada delas que não ajusta os meios para o fim. Pois nisso está fé e simpatia e um conhecimento da verdadeira Magia.


Ó meu amado que voa como uma pomba, cuidado com o falcão! Ó meu amado que salta pela terra como uma gazela, cuidado com o leão!


São centenas de visões, uma atropelando a outra. Em cada uma delas, um Anjo do Æthyr está misteriosamente oculto.


Agora descreverei o Anjo do Æthyr até que a voz surja novamente.


Ele parece com Safo e Calipso e todas as coisas sedutoras e mortais; pálpebras pesadas, longos cílios, um rosto marfim, maravilhosas jóias bárbaras, lábios extremamente vermelhos, uma boca bem pequena, orelhas minúsculas, um perfil Grego. Sobre os ombros um manto negro com um colar verde, coberto de estrelas douradas; a túnica é de um azul claro.


Agora todo o Æthyr é engolido por uma floresta de ávido fogaréu e, sem temor, uma águia, alva como neve, voa por ela. E a águia diz: a casa também da morte. Terminai! O volume do livro está aberto, o Anjo aguarda fora, pois o verão se aproxima. Terminai! Pois o Æon fora medido e as partes repartidas. Terminai! Pois os poderosos sons entraram em cada canto. E eles acordaram os Anjos dos Æthyrs que dormiam trezentos anos.


Pois na Sagrada letra Shin, que é a Ressurreição no Livro de Thoth, que é o Espírito Santo na Trindade, que é trezentos na história dos anos, possui a tumba a ser aberta para que essa grande sabedoria possa seja revelada.


Terminai! Pois a Segunda Tríade está completa e lá ficou apenas o Senhor do Æon, o Vingador, a Criança Coroada e Conquistadora, o Senhor da Espada e do Sol, o Bebê no Lótus, pura forma o seu nascimento, o Filho do Sofrer, o Pai da justiça, para quem recaia a glória pro todo o Æon!


Terminai! Pois o que era para ser concluído, concluído foi, vendo que tu tiveste fé até o final de tudo.


Na letra N a Voz do Æthyr finda.



Biskra, Argélia
20 de Dezembro de 1909, 20:35 - 21:15.

Referências