Reencarnação

De Ocultura
Ir para navegação Ir para pesquisar
Revisão.jpg
Atenção: Esta página foi marcada para revisão!
Se tem algum conhecimento sobre este assunto, por favor verifique a consistência e o rigor deste artigo.


Reencarnação é uma idéia central de diversos sistemas filosóficos e religiosos, segundo a qual uma porção do Ser é capaz de subsistir à morte do corpo. Chamada consciência, espírito ou alma, essa porção seria capaz de ligar-se sucessivamente a diversos corpos para a consecução de um fim específico, como o auto-aperfeiçoamento ou o esvaziamento do Eu.

Características

A reencarnação é um dos pontos fundamentais do Espiritismo, sistematizado por Allan Kardec. Fontes espíritas alegam que o conceito também faz parte do sistema de crenças de várias religiões e filosofias como o Hinduísmo, algumas vertentes do Budismo, o Jainismo, a Teosofia, o Rosacrucianismo, a filosofia socrato-platônica e as vertentes místicas do Cristianismo como, por exemplo, o Cristianismo esotérico. É uma crença popular entre muitos cristãos de outras linhas, embora a grande maioria das denominações cristãs não a admita.

Há referência a conceitos que lembram a reencarnação na maior parte das religiões, incluindo religiões do Egito Antigo, religiões indígenas, entre outras. A crença na reencarnação também é parte da cultura popular ocidental, e sua representação é frequente em filmes de Hollywood. É comum no Ocidente a idéia de que o Budismo também pregue a reencarnação, supostamente porque o Budismo tenha se originado como uma seita do Hinduísmo. No entanto essa noção tem sido contestada por fontes budistas; para mais detalhes veja renascimento.

Origens

A crença na reencarnação tem suas origens nos primórdios da humanidade, nas culturas primitivas. De acordo com alguns estudiosos, a idéia se desenvolveu de duas crenças comuns que afirmam que:

  • Os seres humanos têm alma, que pode ser separada de seu corpo, temporariamente no sono, e permanentemente na morte;
  • As almas podem ser transferidas de um organismo para outro.

Alternativamente, alguns consideram a reencarnação como um fenômeno (e não simplesmente uma crença) que vem ocorrendo ao longo da história, e que tem sido descoberto e redescoberto tanto por sociedades primitivas quanto avançadas. Destaca-se o trabalho do Dr. Ian Stevenson, da Universidade de Virgínia, Estados Unidos, que recolheu dados sobre mais de 2.000 casos em todo o mundo que evidenciariam a reencarnação. No Sri Lanka, os resultados foram bem expressivos.

Segundo os dados levantados pelo Dr. Stevenson, os relatos de vidas passadas surgem geralmente aos dois anos de idade, desaparecendo com o desenvolvimento do cérebro. Uma constante aparece na proximidade familiar, embora haja casos sem nenhum relacionamento étnico ou cultural. Mortes na infância, de forma violenta, aparentam ser mais relatadas. A repressão para proteger a criança ou a ignorância do assunto faz com que sinais que indiquem um caso suspeito normalmente sejam esquecidos ou escondidos.

Influências comportamentais (fragmentos de algum idioma, fobias, depressões etc) podem surgir, porém a associação peremptória desses fenômenos com encarnacões passadas continua a carecer de fundamentação científica consistente.

Dentre os trabalhos desenvolvidos por Dr. Stevenson sobre a reencarnação, destaca-se a obra Vinte casos sugestivos de reencarnação.

Reencarnação versus Metempsicose

A transmigração das almas ou metempsicose é uma teoria diferente da reencarnação, seguida por alguns adeptos de ensinamentos místicos orientais, que propõe que o homem pode reencarnar de modo não-progressivo em animais, plantas ou minerais. Esta teoria não é aceita pelos adeptos da reencarnação, em ensinamentos religiosos ou esotéricos, e é considerada incompatível com o conceito de evolução por vidas sucessivas. Por outro lado, a metempsicose é vista como tendo sido originada numa interpretação errônea do conceito associado ao termo "Sthanu", apresentado no Kathopanishad (Capítulo 5, Verso 9).

Reencarnação e Cristianismo

Diversos estudiosos espíritas e espiritualistas defendem que, durante os seis primeiros séculos de nossa era, a reencarnação era um conceito admitido por muitos cristãos. De acordo com eles, numerosos Padres da Igreja ensinaram essa doutrina e apenas após o Segundo Concílio de Constantinopla, em 553 d.C., é que a reencarnação foi proscrita na prática da igreja, apesar de tal decisão não ter constado dos anais do Concílio. Afirmam ainda que Orígenes (185-253 d.C.), que influenciou bastante a teologia cristã, defendeu a idéia da reencarnação ([1]), além dos escritos de Gregório de Nisa (um Bispo da igreja Cristã no séc. IV) entre outros, e passagens do Novo Testamento, como Mateus 16:13-14 e 19:28 ("regeneração", grego 'pale-genesia' literalmente, renascimento) entre outras, são vistas por adeptos da reencarnação como evidência de que ela era doutrina aceita no Cristianismo primitivo. [2] [3]

Os teólogos católicos e evangélicos modernos e contemporâneos se opõem a esta teoria, argumentando que não há citações de outros Padres da Igreja e que as próprias afirmações de Orígenes e de Gregório de Nisa, que são aduzidas pelos estudiosos espíritas e de outras crenças espiritualistas para sustentar tal teoria, não são por aqueles citadas senão para as refutarem. Na verdade, nenhum historiador da igreja católica - fosse ele crente ou não -, nem mesmo Allan Kardec postularam isso. Por seu lado, da análise da actas conciliares do Concílio de Constantinopla pode-se constatar que os teólogos nele reúnidos nem sequer citaram a doutrina da reencarnação - fosse para a afirmar ou para a rejeitar -. ([4]). Contra a reencarnação ainda cita-se Hebreus 9:27, o episódio dos dois ladrões na cruz, em Lucas 23:39-44 e parábola do rico e Lázaro, em Lucas 16:19-31.

Um grande número de grupos Cristãos Fundamentalistas e Evangelistas denuncia qualquer crença na reencarnação como herética, e atribuem o fenômeno a Satanás. O Cristianismo Esotérico, no entanto, admite e endossa abertamente a reencarnação - que é, inclusive, um dos pilares de sua doutrina.

Reencarnação e Ciência

A crença na sobrevivência da consciência após a morte é comum e tem-se mantido por toda a história da humanidade. Quase todas as civilizações na história tem tido um sistema de crença relativo à vida após a morte. Este ponto de vista pressupõe que a consciência é mais do que uma simples função do cérebro.

Apesar de pesquisas científicas conduzidas por décadas, as evidências científicas são controversas. Existem estudos realizados em hospitais durante longos anos entre sobreviventes a paradas cardíacas aonde se observou o fenômeno conhecido como "experiência de quase-morte" <ref>Parnia S; Waller DG; Yeates R; Fenwick P A qualitative and quantitative study of the incidence, features and aetiology of near death experiences in cardiac arrest survivors. Resuscitation. 2001; 48(2):149-56</ref>, incluindo as do cardiologista holandês Pim Van Lommel <ref>Lommel, Pim Van, Dr., (2001) Near-death experience in survivors of cardiac arrest: a prospective study in the Netherlands, pdf</ref>. Alguns cientistas demonstram que estas experiências são explicadas pela falta de oxigênio no cérebro <ref>Woerlee, GM Darkness, Tunnels, and Light Skeptical Inquirer, maio 2004</ref> <ref>Woerlee, G. M. (2005). Mortal Minds - The Biology of Near-Death Experiences. Prometheus. </ref> <ref>Nelson KR; Mattingly M; Lee SA; Schmitt FA Does the arousal system contribute to near death experience? Neurology. 2006; 66(7):1003-9</ref> em pacientes nos quais a morte encefálica não foi comprovada <ref>Rothstein TL Recovery from near death following cerebral anoxia: A case report demonstrating superiority of median somatosensory evoked potentials over EEG in predicting a favorable outcome after cardiopulmonary resuscitation. Resuscitation. 2004; 60(3):335-41</ref>. Estes estudos afirmam que as mesmas descrições de experiências de quase morte podem ser reproduzidas por medicações como a quetamina <ref>Jansen, K [5]</ref> ou por indução de hipóxia cerebral por alta gravidade <ref>Dr. James E. Whinnery The Trigger of Gravity</ref>, incluindo visão em túnel, comunhão com entidades espirituais, saída do corpo, considerados como alucinações. No entanto outros cientistas e médicos, explicam que as experiências quase-morte sucederam em situações operatórias cujos pacientes estiveram em período de "inconsciência" (estado alterado de consciência) ou reanimados após paragem cardíaca (incluindo cessação de actividade encefálica/cerebral), portanto impossíveis de serem originadas em quaisquer funções biológicas ou quimíco-eléctricas <ref>Lommel, Pim Van, A Reply to Sherman - Medical Evidence for NDEs, 2003</ref> e reveladoras de que a consciência sobrevive à morte do corpo físico <ref>David Fontana, Prof., Cardiff University and Liverpool John Moores University, UK, (Finland 2003) Does Mind Survive Physical Death?, pdf</ref>.

Por outro lado, existe a pesquisa efectuada mundialmente pelo professor de psiquiatria norte-americano da University of Virginia, Ian Stevenson — que desde os anos 60 que publica apenas para a comunidade científica, sendo a sua escrita densamente envolta com detalhes de pesquisa e argumentos académicos de difícil compreensão para o leitor comum — com mais de 3.000 casos de estudo oferecendo fortes evidências a favor da reencarnação <ref>Ian Stevenson, Prof., (1980) Twenty Cases Suggestive of Reincarnation: Second Edition, Revised and Enlarged, University Press of Virginia, ISBN 0813908728</ref> <ref>Ian Stevenson, Prof., (1997) Where Reincarnation and Biology Intersect, Praeger Paperback, ISBN 0275951898</ref> <ref>Mary Roach Spook: Science Tackles the Afterlife W. W. Norton (2005)</ref>, mas que porém são considerados pelos mais cépticos como não contendo argumentação convincente.

As investigações científicas sobre assuntos relacionados ao pós morte sempre existiram e continuam a ser motivo de intenso debate acadêmico, continuando a dividir os intervenientes neste campo de pesquisa <ref>Neal Grossman, Prof., Indiana University and University of Illinois, United States, (2002) Who's Afraid of Life After Death? Why NDE Evidence is Ignored, published at the Institute of Noetic Sciences (IONS)</ref> <ref>Parnia S; Fenwick P Near death experiences in cardiac arrest: visions of a dying brain or visions of a new science of consciousness. Resuscitation. 2002; 52(1):5-11</ref>.

Literatura


Ver também

Conceitos

Temas

Doutrina Espírita

Tradições

Links Externos

  • Reencarnação Programa em vídeo da série INFORMAÇÃO ESPÍRITA explicando a Reencarnação.
  • O Véu da Morte, nascimento, vida, morte, pós-vida nos mundos suprafísicos e renascimento; uma perspectiva rosacruciana.