Apófis ou Apophis (também conhecido como Apep e Typhon (Tifão)) possui duas conotações distintas, uma na egiptologia tradicional e outra em Thelema.

Apófis na Egiptologia Tradicional

Para a tradição egípcia representa o caos na conotação de desordem sendo tudo aquilo que está fora de Maat - o princípio da verdade e da justiça. Normalmente não tem acepção dualística, é dito apenas que no tribunal de Osíris, se o morto não está pronto para a vida eterna e ingressar na cidade das pirâmides, sua alma é entregue a Apófis para ser devorada e que possa renascer. Entretanto esta era uma condição considerada terrível para os egípcios não Iniciados que tinham dificuldade de compreender a transmutação da natureza.

Apófis é alegoricamente representado como uma serpente que toda noite ameaça beber a água do Nilo e impedir que a Barca de retorne. Seth está na proa da barca e fere a serpente cravando-lhe uma lança na garganta, porém ela não pode ser morta e retorna em cada ciclo solar diário.


Apófis em Thelema

Para Thelema, Apófis é OIA, o anverso de IAO, o coração secreto do Sol. Está relacionado com a casa zodiacal de escorpião portanto tomado na concepção do destruidor que traz a renovação da natureza.