Sociedade Alternativa

Revisão.jpg
Atenção: Esta página foi marcada para revisão!
Se tem algum conhecimento sobre este assunto, por favor verifique a consistência e o rigor deste artigo.
Imrimatur - Sociedade Alternativa

Sociedade Alternativa faz parte de uma filosofia, defendida por Raul Seixas, baseada nos Escritos de Aleister Crowley e a Lei de Thelema.

O escritor ocultista britânico Aleister Crowley influenciou muito Raul Seixas,(especialmente em suas composições). Assim como Paulo Coelho, escritor e autor de best sellers, que por sinal era parceiro musical de Raul. Os dois fundaram a Sociedade Alternativa na década de 1970. A Sociedade Alternativa é uma utopia idealizada por Raul Seixas, e jamais realizada até hoje.

"Sociedade alternativa, Sociedade novo aeon, É um sapato em cada pé, É direito de ser ateu, Ou de ter fé, Ter prato entupido de comida, Que você mais gosta, É ser carregado, ou carregar gente nas costas, Direito de ter riso de prazer, E até direito de deixar, Jesus Sofrer"

Tabela de conteúdo

Sociedade Alternativa

Infelizmente, o que ela tem de fama, tem de escassez teórica. Na realidade, nem Raul Seixas sabia explicar direito o que era essa tal Sociedade Alternativa.

Tudo começou em 1971, quando Raul Seixas conheceu Paulo Coelho, hoje autor brasileiro best-seller mundial. Raul tomou a iniciativa de procurá-lo, ao ler um artigo sobre discos voadores numa revista alternativa que Paulo Coelho dirigia, chamada "A Pomba". Tornaram-se amigos, sendo que Coelho se tornaria o maior parceiro musical de Raul, ajudando a compor clássicos como "Eu Nasci Há Dez Mil Anos Atrás" e "Gita."

Ainda em 1971, no mês de setembro, fundaram a Sociedade Alternativa, que se originou a partir de divagações místico-filosóficas da dupla. Procuravam, cada um à sua maneira, um caminho alternativo - caminho próprio e pleno, um caminho que o establishment nunca poderia oferecer. Como base desses pensamentos ganhou força entre ambos a obra de um dos maiores estudiosos do ocultismo do século XX, Aleister Crowley.

No vídeo "Raul Seixas também é documento" do diretor Paulo Severo, Raul diz numa entrevista que "...se você não está na Sociedade Alternativa, a Sociedade Alternativa sempre esteve dentro de você. A Sociedade Alternativa foi um... eu pertencia a uma sociedade esotérica na época, em 74, que me deu um terreno em Minas Gerais pra eu construir uma cidade chamada Cidade das Estrelas, onde o advogado era o não-advogado, o policial era o não-policial, os conceitos, valores trocados, né? Uma organização nova... daí o pessoal bateu no meu ombro disse, 'ô, dá um pulinho lá fora, pô guri...' isso era 74, Geisel, né?"

Kika Seixas, ex-mulher de Raul que mantém ligação direta com a obra do artista, define a Sociedade Alternativa como sendo apenas um sonho, mais um ponto de vista do público do que dele mesmo.

Kika lembra que certa vez magoou muito Raul, dizendo: "Isso aí é um papo completamente impossível, que Sociedade Alternativa é essa cara?, como é que você quer criar algo, em que base, o que é isso, que palhaçada é essa? Sociedade Alternativa porra nenhuma, você não é capaz de gerir a sua própria vida, a sua família". Ela lembra ainda que o músico ficou arrasado naquele dia.

Citações à obra da Besta

A mais clara e famosas dessas referencias foi a célebre canção "Sociedade Alternativa", onde várias frases do livro são citadas. A mais conhecida: "Faze o que tu queres há de ser tudo da Lei."

No final da música, composta por Raul e Paulo Coelho em 1974, eles cantam: "O número 666 chama-se Aleister Crowley."

Não só essa música, mas todo o álbum "Gita" continha uma série de referencias as idéias e vida de Crowley, como por exemplo a música "Loteria da Babilônia" que fala sobre ser um jogador de xadrez, saber techos da Biblia e invenção de baralhos, possivelmente o Tarô de Thoth. O nome do disco é uma homenagem ao livro sagrado dos indianos, e a música "O Trem das Sete" também está repleta de citações.

Na canção, Raul usa como alegoria um trem que passava em sua cidade durante a infância. Esse trem passará para buscar os iluminados já aptos a entrar na Era de Aquário. A letra diz: "Vê, é o sinal das trombetas dos anjos e dos guardiões, lá vem Deus deslizando no céu entre Brumas de mil megatons, e o mal vem de braços e abraços com o bem num romance astral." Esse seriam os sinais de que o trem estaria chegando e quem quisesse poderia embarcar, já que: "não precisa passagem nem mesmo bagagem no trem."

Em 1975, Raul lança o disco "Novo Aeon", uma outra denominação da mesma Era de Aquário. Em 1976 um dos maiores sucessos de Raul "Eu Nasci Há Dez Mil Anos Atrás" também com citações a Nova Era. Observe-se que, pela mística, há dez mil anos atrás nós estávamos na era de Leão-Aquário, que é diametralmente oposta à nova era de Aquário-Leão que agora está sendo buscada.

A música "Love Is Magick" é inspirada nas idéias de Crowley, e sua Magick, com "k", para diferenciá-lo da mágica circense (visto que no inglês encontramos Magic, enquanto no português podemos diferenciar Magia de Mágica).

No seu penúltimo álbum, "A Pedra do Gênesis", de 1988, Raul reafirma-se crowleyano na canção "Lei", que, apesar de constar nos créditos como sua, é uma adaptação musical do Liber Oz de Crowley.

Ainda em seu último álbum, "A Panela do Diabo", de 1989 (ano em que Raul Seixas faleceu), encontramos a música "Nuit", uma conhecida deusa do panteão thelêmico, a quem foi atribuído o primeiro capítulo do Livro da Lei.

A Cidade das Estrelas

Conforme Paulo Coelho cita em seu livro "As Valkírias", a Cidade das Estrelas, uma das maiores metas da Sociedade Alternativa, seria a mesma coisa que a Besta (Aleister Crowley) havia "fracassado" em instalar na Itália: uma Abadia de Thelema.

Exílio nos Estados Unidos

Roberto Menescal, músico e amigo de Raul conta uma história que ilustra a ingenuidade da dupla que pretendia trazer boas novas ao mundo com a sua Sociedade Alternativa. Em 1974, Raul e Paulo Coelho receberam um convite do porta-voz do general Erneto Geisel, que dizia querer maiores informações sobre a Sociedade Alternativa. Segundo Menescal, ficaram na maior alegria quando receberam o comunicado, porque realmente acreditavam que o governo militar queria discutir com eles suas idéias. Fizeram então diversos contatos com assessores do governo militar, o resultado dessa confiança traduziu-se em buscas ilegais em seus apartamentos, prisão e posterior exílio nos Estados Unidos. Os jornais da época falavam que Raul tinha ido para os Estados Unidos bater um papo com John Lennon. A história do exílio só estourou nos anos 80, quando se podia falar um pouco do que aconteceu na época.

Segundo Raul, ele foi torturado para poder dizer os nomes das pessoas que faziam parte da Sociedade Alternativa, que segundo Geisel, era um movimento revolucionário contra o governo. Então Raulzito resolveu mentir, dizendo que tinha pacto com o demônio ao invés de dizer que tinha parte com a revolução.

Em uma entrevista, Raul disse o seguinte: "Literalmente é choque no saco. Fui torturado mesmo no governo Geisel. Me pegaram no Aterro do Flamengo, me botaram uma carapuça e fiquei três dias num lugar desconhecido. Aí vieram três pessoas: um bonzinho, outro mais inteligente - que fazia as perguntas – e um mais ‘agreste’, mais violento. Depois me colocaram num aeroporto e fui direto para o Greenwich Village (bairro nova-iorquino)"

O Imprimatur

O selo da Sociedade Alternativa (Imprimatur - Sociedade Alternativa) possui uma Ankh como símbolo. Este selo pode ser identificado nas capas dos discos "Krig-Há, Bandolo!", "Gita", "Novo Aeon" e "Há Dez Mil Anos Atrás". Na parte inferior da cruz, vemos dois pequenos degraus que transformam a cruz numa chave.

Uma Vida sem Regras

Raul Seixas não se preocupou em elaborar informações concretas sobre a Sociedade Alternativa, isso só iria criar ainda mais regras, o que seria um contra-senso. O Maluco Beleza defendia a liberdade acima de tudo, onde cada um poderia fazer o que quiser. Uma sociedade contendo regras, seu próprio dinheiro, documentos não tem nada de alternativa e Raul Seixas não defendia a criação de uma sociedade nesses meios, e sim uma revolução interna do ser humano. Uma sociedade livre, porque quanto maior o número de regras, menor a chance de alguém se tornar uma metamorfose ambulante.

Segundo Raul, valia pena continuar sonhando com a Nova Era, já que estamos vivendo num mundo caótico e as coisas sempre acabam mudando.

Em uma entrevista em 1986, o grão-vizir do rock brasileiro declara: "A Sociedade Alternativa continua vigorando o tempo todo não importa de que maneira. São alternativas concretas mesmo, que têm de solidificar. Mas não mais com palavras, nem com porta-estandarte... até fui preso por causa disso."

Numa outra entrevista, desta vez em março de 1987, Raul fala o seguinte sobre a Sociedade Alternativa:

"Ela sempre existiu, desde o tempo do Egito antigo. Inclusive o filósofo e estudioso Aleister Crowley, que é o papa maior dessa entidade, se baseou nos papiros egípcios (não aquele em que eu fumei maconha. Esses, cá entre nós, deviam ser muito mais gostosos), uma coisa de Osiris, Iris e Horus – pai, mãe e filho. Ele descobriu um segredo terrível por lá."

"Eu não sei que segredo era esse, porque eu era neófito. Só na quarta iniciação eles contavam o segredo (risos). Por isso eu disse que nunca começou, nem nunca terminou a Sociedade Alternativa. Vi que meu ponto de vista não estava muito longe da AA(Astrum Argentum). E sempre será. Não adianta mentir, mistificar."

Manifesto

O texto que segue abaixo está no manifesto/gibi A Fundação Krig-Ha, , distribuído no primeiro show de Raul em SP em 1973. Escrito por Raul e Paulo Coelho, entre outras pessoas, esse manifesto lança a idéia de Sociedade Alternativa. No ano seguinte, todas as cópias desse manifesto seriam recolhidos pela Polícia Federal e queimados como "material subversivo". Raul foi preso e torturado pelo "Dops" e é "convidado" a se retirar do país, retornando ao Brasil pouco mais tarde devido ao sucesso de seu disco "Gita"

Prefácio

Nós vos saudamos, Maria. Nós Vos Saudamos José. E nós saudamos os artistas brasileiros que tiveram o silêncio do resto do mundo quando seus trabalhos e seus corpos foram censurados, mutilados desaparecidos.

Manifesto

1 - O espaço é livre. Todos tem direito de ocupar seu espaço.

2 - O tempo é livre. Todos tem que viver em seu tempo, e fazer jus as promessas, esperanças e armadilhas.

3 - A colheita é livre. Todos tem direito de colher e se alimentar do trigo da criação.

4 - A semente é livre. Todos tem o direito de semear suas idéias sem qualquer coerção da INTELEGENZIA ou da BURRICIA.

5 - Não existe mais a classe dos artistas. Todos nós somos capazes de plantar e de colher. Todos nós vamos mostrar ao mundo e ao Mundo a nossa capacidade de criação.

6 - "Todos nós" somos escritores, donas-de-casa, patrões e empregados, clandestinos e careta, sábios e loucos.

7 - E o grande milagre não será mais ser capaz de andar nas nuvens ou caminhar sobre as águas. O grande milagre será o fato de que todo dia, de manhã até a noite, seremos capazes de caminhar sobre a Terra.

Saudação final do 11o manifesto.

Sucesso a quem ler e guardar este manifesto. Porque nós somos capazes. Todos nós, todos nós somos capazes.

Escrito por: Raul Seixas, Paulo Coelho, Sylvio Passos, Christina Oiticica, Toninho Buda, Ed Cavalcanti.


Referências

Ligações externas


   Esta página foi acessada 56 412 vezes.
O Ocultura utiliza o MediaWiki Valid XHTML 1.0 Transitional Valid CSS!