O Livro da Magia Sagrada de Abramelin o Mago

Capa da reimpressão de 1975 da versão inglesa de Mathers do Livro da Magia Sagrada de Abramelim o Mago.

O Livro da Magia Sagrada de Abramelin o Mago conta a história de um mago egípcio chamado Abramelin, que ensina um sistema de magia a Abraão o Judeu, alguém que viveu de 1362 a 1458.

A magia descrita neste livro foi "revivida" nos séculos XIX e XX através da tradução de Mathers do livro, que se tornou importante dentro da Golden Dawn e mais tarde no sistema thelêmico. Infelizmente Mathers usou a cópia do manuscrito menos confiável como base para sua tradução, que contém muitos erros e omissões. A tradução seguinte por Georg Dehn e Steven Guth, baseada nas fontes mais recentes e completas, é mais culta e compreensível. Dehn atribuiu a autoria do Livro da Magia Sagrada de Abramelin o Mago ao Rabi Yaakov Moelin (יעקב בן משה מולין; c . 1365–1427), um judeu talmudista alemão.

Tabela de conteúdo

A proveniência do manuscrito

O grimório é formado como uma espécie de novela epistolar ou autobiografia na qual Abraaão o Judeu descreve sua jornada da Alemanha ao Egito e revela os segredos mágicos e cabalísticos de Abramelin ao seu filho Lamech. Internamente as datas do texto indicam o ano de 1458.

O livro existe na forma de seis manuscritos e uma edição impressa anterior. A proveniência do texto não é definidamente identificada. Os manuscritos mais recentes são duas versões que datam de cerca do ano 1608, estão escritos em alemão e são encontrados em Wolfenbüttel. Outros dois manuscritos estão em Dresden, e datam de cerca de 1700 e 1750 respectivamente. A primeira versão impressa, também em alemão, data de 1725 e foi impressa na Colônia por Peter Hammer. Uma cópia parcial em hebraico é encontrada na Bodleian Library em Oxford, e data de cerca de 1740. Uma cópia manuscrita existiu na França na Bibliothèque de l'Arsenal em Paris. A cópia francesa desapareceu, mas está disponível em microfilme.

Todas as cópias em alemão consistem de quatro livros: uma descrição autobiográfica das viajens de Abraão o Judeu ao Egito, um livro de materiais sortidos do corpo da Cabala prática e os dois livros de magia dados por Abramelin. A bem conhecida tradução inglesa de Mathers do manuscrito francês de Paris contém apenas três dos quatro livros. A versão hebraica em Oxford é limitada ao Primeiro Livro, sem referência aos demais livros.

De todas as fontes, os manuscritos alemães em Wolfenbüttel e Dresden são tidos pelos escolares como sendo os textos confiáveis. De acordo com o respeitável cabalista Gershom Scholem, a versão hebraica em Oxford foi traduzida em hebraica a partir do alemão. Uma análise da soletração e linguagem usada no manuscrito francês indica que data do século XVIII, e que também foi copiado do original alemão. Embora o autor cite partes do Livro Judeu de Psalms, a versão dada não é do hebraico; particularmente, é da Vulgata, uma tradução da Bíblia empregada por Católicos Romanos naquela época.

A Operação de Abramelin

O texto descreve um elaborado ritual cujo propósito é obter o Conhecimento e Conversação do Sagrado Anjo Guardião. As preparações são elaboradas, difíceis, e longas. Todos os textos alemães decrevem uma duração para a operação de dezoito meses antes que qualquer contato divino seja conhecido. Na tradução de Mathers, a fase inicial da operação dura apenas seis meses.

Durante o período da operação, o magista precisa diariamente orar antes do sol nascer e novamente ao pôr do sol. Durante esta fase preparatória, existem muitas restrições: castidade, recusar bebidas alcoólicas, e o magista precisa conduzir seus negócios com escupulosa justiça.

Após a fase preparatório ter sido completada com sucesso, o Sagrado Anjo Guardião do magista aparecerá para revelar segredos mágicos. Uma vez que isso é feito, o magista deverá evocar os 12 Reis e Duques do Inferno (Lúcifer, Satan, Leviathan, etc.) e atá-los. Através disto, o magista ganha comando deles e remove suas influências negativas de sua vida. Adiante, estes espíritos deverão entregar um número de espíritos familiares (quatro familiares principais, e muitos outros associados com uma série de quadrados mágicos de palavras e talismãs providos no Quarto Livro).

Os objetivos mágicos para os quais os demônios podem ser empregados são típicos daqueles encontrados em grimórios: ao praticante é prometida a habilidade de encontrar tesouros enterrados, realizar encantos de amor, a habilidade de voar, e o segredo da invisibilidade - listando apenas um pequeno número de exemplos.

Quadrados mágicos são apresentados destacadamente nas instruções para executar estas operações, assim como receitas para um óleo de unção (pego de Êxodo 30), popularmente usado por magistas cerimoniais sob o nome de Óleo de Abramelin. Existem também muitas outras ferramentas - tal como uma lâmpada sagrada, uma Baqueta feita de um galho de Amendoeira, uma receita para incenso conhecida hoje como Incenso de Abramelin (também de Êxodo 30), vários Robes, um quadrado ou prataria de sete lados de prata ou cera de abelha, etc.

Porque o trabalho envolve a evocação de demônios, a operação de Abramelin tem sido comparada à Goetia, especialmente por estudantes europeus. No entanto, o foco primário do texto é sobre a invocação do Sagrado Anjo Guardião, e obras modernas sobre o assunto tendem a focar sobre este aspecto.

Quadrados Mágicos de Palavras

A magia prática de Abramelin (encontrada no Livro III no texto francês e Livro IV no original alemão) centraliza-se sobre um conjunto de talismãs compostos de quadrados de palavras mágicos. Estes são similares aos quadrados mágicos tradicionais - embora costumem ser compotos por números, enquanto os quadrados de Abramelin contém letras. Comumente quadrados de letras são usados como jogos ou quebra-cabeças em jornais. No contexto de Abramelin, o foco se torna místico - de tal forma que cada quadrado contém palavras ou nomes que se relacionam ao objetivo mágico do quadrado. Um paralelo é encontrado no famoso quadrado Sator Arepo Tenet Opera Rotas, uma versão alterada.

Um quadrado para "viajar no ar, sobre uma nuvem" contém a palavra NASA. A maior parte dos quadrados estão baseados aparentemente em escolhas de palavras do hebraico, arábico, latim, grego, caldeu e outras línguas.

Por exemplo, o quadrado entitulado "Para caminhar sob a água por quanto tempo quiser" contém a palavra MAIAM, o hebraico e arabico para "água". Um quadrado para recuperar tesouros começa com a palavra TIPHARAH, que pode significar "anel dourado" em hebraico e é também o nome de uma sephirah na Árvore da Vida.

Abramelin e a Hermetic Order of the Golden Dawn

Em 1897, O Livro da Magia Sagrada de Abramelin o Mago foi traduzido para o inglês pelo ocultista britânico Samuel L. MacGregor Mathers. A magia descrita no grimório influenciou na Hermetic Order of the Golden Dawn, da qual Mathers foi líder.

O ocultista britânico Aleister Crowley, na época um jovem membro da Golden Dawn, iniciou as preparações para obter a visão do anjo seguindo as instruções de Abramelin, mas abandonou este plano para assistir Mathers durante a cisma da Golden Dawn de 1901.

Abramelin e Thelema

O Livro da Magia Sagrada de Abramelin o Mago causou um efeito profundo sobre Aleister Crowley.

No sistema de Thelema, o Conhecimento e Conversação do Sagrado Anjo Guardião é a tarefa fundamental de todo Adepto. Esse conceito é anexado ao conceito central de Thelema: a Verdadeira Vontade, que pode ser descrita como seu destino ou missão na vida, que não pode ser completamente descoberto até que o Sagrado Anjo Guardião, Deus, ou Eu Superior seja contactado. Apesar de que Crowley elaborou sua própria versão do ritual, os conceitos fundamentais permancem fiéis às idéias de Abramelin.

Em 1906, Crowley decidiu alterar a operação de Abramelin de tal forma que pudesse realizá-la durante uma viagem com sua esposa Rose Kelly e sua filha na China. Ele primeiramente reportou uma visão de uma figura brilhante que o admitiu à Ordem da Estrela de Prata, e depois uma experiência mística mais drástica que ele considerou ser o Conhecimento e Conversação do Sagrado Anjo Guardião. No entanto, ele mostrou ambivalência sobre a regra que seu uso de hashishe adetou nesta experiência, então em Outubro de 1908, ele novamente realizou a operação em Paris sem o uso de drogas. Ver João São João.

Nos anos anteriores, Crowley clamou ter completado com sucesso a operação de Abramelin, mas o resultado deste experimento não foram aqueles poderes anunciados (como invisibilidade, etc). Particularmente, ele atribuiu à operação de Abramelin a revelação do Livro da Lei e a proclamação do Aeon de Hórus, que recebeu enquanto residia temporariamente no Egito em 1904.

Abramelin e ocultismo eclético contemporâneo

Desde a época da tradução de Mathers, O Livro da Magia Sagrada de Abramelin o Mago tornou-se popular entre os magistas cerimoniais e ocultistas interessados em Cabala Hermética, Cabala Cristã e Grimórios; de língua inglesa. A brochura reimpressa durante a ascenção renovada do interesse em Hermetismo durante os anos 70 pôs o livro frente a uma nova geração de leitores, e um desdobramento disto foi o número de pessoas, tanto dentro e fora das comunidades Thelêmicas e da Golden Dawn, que clamaram ter tanto executado a operação de Abramelin quanto ter experimentado com sucesso os quadrados mágicos e e a fórmula do Óleo de Abramelin encontrada no texto.

Existem muitas diferenças importantes entre os originais manuscritos e a edição de Mathers.

  1. Um dos quatro livros foi perdido inteiramente no manuscrito francês no qual ele trabalhou;
  2. Mathers deu a duração da operação como sendo de seis meses, enquanto todas as outras fontes especificam dezoiro meses;
  3. Possivelmente devido a uma má tradução, Mathers mudou um dos ingredientes da receita do Óleo de Abramelin, especificando gengibre ao invés de cálamo. O óleo no manuscrito alemão também contém cássia e é mais parecido com a receita bíblica de óleo de unção. As diferenças entre as receitas causa muitas mudanças notáveis nas características do óleo, incluindo comestibilidade, fragrância, sensação dermal e simbolismo espiritual;
  4. Existem 242 quadrados de palavras na tradução de Mathers, enquanto no original alenão existem 251. A maioria dos quadrados na edição de Mathers não estão completamente preenchidos.

Uma tradução alemã, creditada a Abraão o Judeu e editada por Georg Dehn, foi publicada em 2001 pela Edition Araki. Na versão de Dehn, o quarto livro foi incluido e a substituição de gengibre de Mathers foi revertida para calámo. Todos os 251 quadrados foram incluídos.

Ver também

Referências


   Esta página foi acessada 30 957 vezes.
O Ocultura utiliza o MediaWiki Valid XHTML 1.0 Transitional Valid CSS!